“Vamos tirar o Estado da grave crise em que se encontra”, diz Fátima após eleita

Eleita neste domingo (28), Fátima Bezerra (PT) é a nova governadora do Rio Grande do Norte, única mulher no cargo no país. Depois do resultado, ela recebeu a imprensa para coletiva e afirmou que esta eleição marca a história política do Estado.

“Expresso aqui meu agradecimento a Deus e ao povo do Rio Grande do Norte, que foi o grande protagonista desse processo eleitoral”, afirmou Fátima. “Eu já via nas ruas um sentimento de mudança, e as urnas comprovaram isso”.

A governadora eleita agradeceu, ainda, ao seu partido, o PT, ao PCdoB do vice Antenor Roberto e ao PHS da senadora eleita Zenaide Maia. “Quero também agradecer aos apoios que recebi nesse segundo turno, que vieram pela porta da frente, que entenderam que a candidatura da senadora Fátima era a melhor opção”, ressaltou, citando os presentes na coletiva, nas pessoas do presidente da Assembleia Legislativa, Ezequiel Ferreira; da deputada Márcia Maia; dos deputados eleitos Ubaldo Fernandes e Eudiane Macedo; dos professores Carlos Alberto e Robério Paulino, do PSol; e do presidente da Câmara Municipal de Natal Raniere Barbosa e Karla Veruska.

Fátima lembrou do desafio que será governar o Estado a partir de 2019. “Vamos iniciar uma nova era política, tirar o Estado da grave crise em que se encontra, trazer paz, emprego e prosperidade ao nosso povo”.


RESULTADO REGIÃO POTENGI/PRESIDENTE: Haddad venceu em todos os municípios do Potengi

O candidato derrotado no 2° turno das eleições de 2018 o Fernando Haddad (PT), venceu em todas as cidades pertencentes a região Potengi.

Haddad obteve 35.848 votos válidos na região. Enquanto Bolsonaro teve 16.975 votos. Maioria de 18.873 para Haddad.

Na 008 Zona Eleitoral que tem as cidades de São Pedro, Santa Maria, Riachuelo e São Paulo do Potengi, Haddad teve 14.349 votos (66.08%) e Bolsonaro 7.367 votos válidos (33.92%).

Confira a votação da região Potengi para Presidente:

VEJA A VOTAÇÃO DA DISPUTA PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA NA REGIÃO POTENGI – 2° TURNO – ELEIÇÕES 2018
 

MUNICÍPIOS

FERNANDO HADDAD (PT)

JAIR BOLSONARO (PSL)

MAIORIA

Barcelona 2.028 1.093 935
Bom Jesus 3.855 1.755 2.100
Ielmo Marinho 5.734 1.851 3.883
Lagoa de Velhos 1.619 658 961
Riachuelo 3.298 1.263 2.035
Ruy Barbosa 1.630 868 762
Santa Maria 2.376 816 1.560
São Paulo do Potengi 5.364 4.140 1.224
São Pedro 3.311 1.148 2.163
São Tomé 3.805 2.484 1.321
Sem. Elói de Souza 2.828 899 1.929
TOTAL NA REGIÃO POTENGI
  35.848 16.975 18.873

 


RESULTADO REGIÃO POTENGI: 10 municípios do Potengi Fátima venceu; apenas 1 Carlos Eduardo venceu

Neste domingo (28) a população Brasileira foram as ruas e em seus locais de votação para depositarem seu voto de confiança aos candidatos que estavam concorrendo o 2° turno das eleições de 2018. No Rio Grande do Norte não foi diferente, com mais de 1 milhão de votos a nova governadora do RN é Fátima Bezerra (PT).

Na região do Potengi, Fátima ganhou em 10 municípios e apenas em 1 Carlos Eduardo venceu.

Fátima venceu em: Barcelona, Bom Jesus, Ielmo Marinho, Lagoa de Velhos, Riachuelo, Ruy Barbosa, Santa Maria, São Paulo do Potengi, São Pedro e Senador Elói de Souza. Carlos Eduardo só venceu em São Tomé, e com uma diferença pequena de apenas 50 votos.

Na soma dos 11 municípios considerados do Potengi, Fátima teve 32.573 votos (61%), contra 20.951 votos (39%) de Carlos Eduardo. Maioria da petista na região foi de 11.622 votos.

Confira as cidades e total de votação: 

 

VEJA A VOTAÇÃO DA DISPUTA PARA O GOVERNO DO ESTADO REGIÃO POTENGI – 2° TURNO – ELEIÇÕES 2018

 

MUNICÍPIOS

FÁTIMA BEZERRA (PT)

CARLOS EDUARDO (PDT)

MAIORIA

Barcelona 1.892 1.273 619
Bom Jesus 3.469 2.227 1.242
Ielmo Marinho 5.197 2.431 2.766
Lagoa de Velhos 1.592 672 920
Riachuelo 2.783 1.838 945
Ruy Barbosa 1.494 1.060 434
Santa Maria 2.217 991 1.226
São Paulo do Potengi 5.143 4.495 648
São Pedro 2.812 1.765 1.047
São Tomé 3.206 3.256 -50
Sem. Elói de Souza 2.768 943 1.825
TOTAL NA REGIÃO POTENGI
  32.573 20.951 11.622

 


Bolsonaro vence segundo turno e é eleito o novo presidente do Brasil

Bolsonaro vence segundo turno e é eleito o novo presidente do Brasil

Os eleitores brasileiros foram às urnas neste domingo, dia 28 de outubro de 2018, e decidiram que Jair Messias Bolsonaro será o próximo presidente da República Federativa do Brasil.

Candidato ao Planalto pelo PSL, Bolsonaro venceu o segundo turno das eleições com 55,13 % dos votos, contra 44,87 % do adversário Fernando Haddad, do PT.

Capitão reformado do Exército e deputado federal há 27 anos, Bolsonaro assumirá o cargo executivo no dia 1º de janeiro de 2019, quando receberá das mãos de Michel Temer, em Brasília, a faixa presidencial.

Campanha

Jair Bolsonaro liderou as pesquisas de intenção de voto durante toda a campanha eleitoral. Na reta final, ele chegou a perder alguns pontos, mas mesmo assim venceu.

Antes do primeiro turno, no dia 6 de setembro, ele sofreu um ataque a faca durante um ato em Juiz de Fora (MG) e teve de passar por dois procedimentos cirúrgicos. Com a saúde debilitada, o capitão reformado passou a fazer campanha junto aos eleitores somente nas redes sociais, além das propagandas gratuitas de rádio e TV. Bolsonaro também evitou os debates contra Haddad no segundo turno, mesmo tendo liberação médica para participar.

Nono presidente da “Nova República”

Jair Bolsonaro será o 9º presidente da “Nova República”, que começou em 1985, após a Ditadura Militar. De lá até hoje, o Brasil foi governado por Tancredo Neves*, José Sarney (1985 – 1990), Fernando Collor (1990 – 1992), Itamar Franco (1992 – 1995), Fernando Henrique Cardoso (1995 – 2003), Luiz Inácio Lula da Silva (2003 – 2011), Dilma Rousseff** (2011 – 2016) e Michel Temer*** (2016 – 2018)

* Tancredo tinha posse marcada para o dia 15 de fevereiro de 1985, mas a cerimônia não chegou a acontecer porque o então presidente eleito ficou doente na véspera e acabou falecendo em 21 de abril do mesmo ano.

** Dilma, a primeira mulher a ocupar o cargo de presidente da República, teve o mandato interrompido no dia 31 de agosto, após um processo de impeachment.

*** Temer, vice de Dilma Rousseff, assumiu o Planalto após o impeachment da petista.

Notícias ao Minuto


Temer: tenho convicção de que Bolsonaro fará um governo de muita paz e harmonia

O presidente Michel Temer (MDB) disse acreditar que seu sucessor eleito neste domingo, Jair Bolsonaro (PSL), fará um governo de “muita paz e harmonia” e irá pacificar o País. “Tenho convicção de que ele fará um governo de muita paz e harmonia que é o que nosso País necessita”, disse Temer, nesta noite, no Palácio da Alvorada. Momentos antes, Temer havia telefonado para cumprimentar o capitão reformado pela vitória nas urnas, em uma conversa breve.

Ainda durante seu pronunciamento, Temer disse que a transição entre os governos terá início amanhã e que o processo já está todo formatado. O processo será feito fisicamente no prédio do Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB), em Brasília. O emedebista disse que ofereceu a Bolsonaro e sua equipe a Granja do Torto também, caso o presidente eleito ache necessário.

Sobre as eleições, Temer ressaltou que o povo exerceu neste domingo “seu poder”, “com tranquilidade e soberania”.

Temer assumiu a Presidência da República de forma definitiva em 31 de agosto de 2016, após o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) da qual ele era o vice.


Sorteio define que possível comemoração de Fátima/Haddad será no ‘Pavilhão do Povo’, e de Carlos Eduardo/Bolsonaro será na ‘Rua da Usina’

No inicio da tarde deste domingo (28) de Eleições, aconteceu um sorteio que definiu onde serão as possíveis comemorações de vitórias em São Paulo do Potengi dos Eleitores dos candidatos que estão na disputa nesse 2º turno.

No sorteio ficou assim definido:

– Possível comemoração de vitória de Fátima/Haddad será no Pavilhão do Povo, localizado no Centro da Cidade.

– Possível comemoração de vitória de Carlos Eduardo/Bolsonaro será em frente ao Quiosque de João (Rua da Usina), no Bairro Santos Dumont.

No sorteio estavam presentes a Justiça Eleitoral, representada pela Juíza Dra. Vanessa Lysandra e pelo Chefe do Cartório Eleitoral, Edmundo Costa; o Ministério Público Eleitoral, representado pelo Promotor Dr. Cláudio Onofre; a Polícia Militar; e representantes das Coligações de Fátima/Haddad e de Carlos Eduardo/Bolsonaro.

Ficou decidido também que é proibido a realização de carreatas e passeatas. As possíveis comemorações deverão acontecer nos locais pré-definidos

SPP NEWS


‘É uma festa bonita da democracia’, diz presidente do TSE ao votar

'É uma festa bonita da democracia', diz presidente do TSE ao votar

A presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ministra Rosa Weber, elogiou o trabalho da Justiça Eleitoral ao votar neste domingo (28) na Escola Parque 313/314 Sul e disse que o país vive hoje “uma festa bonita da democracia”.

Weber chegou para votar às 13h. Recebida pelos mesários e imprensa, disse que o trabalho da Justiça Eleitoral é “competente” e elogiou a organização da seção.

Na saída, evitou falar com a imprensa e disse apenas ter a sensação de “trabalho realizado”. “Dá uma sensação de alegria, de trabalho realizado, de mais um passo. É uma festa bonita da democracia”. Com informações da Folhapress.

Notícias ao Minuto


Toffoli: futuro presidente terá de garantir pluralidade política

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, disse hoje (28), logo após votar em uma escola no Lago Norte, bairro nobre de Brasília, que o futuro presidente terá de garantir a pluralidade política e promover o bem, sem preconceito ou discriminações.

Com a Constituição Federal nas mãos, Toffoli fez um rápido pronunciamento à imprensa no qual cobrou, do próximo presidente do Brasil, a promoção do bem de todos.

“É importante lembrar que o futuro presidente terá como seu primeiro ato jurar a Constituição. É importante que se cumpra o artigo terceiro da Constituição, que diz o que constitui os objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil. Primeiro: construir uma sociedade livre, justa e solidária. Segundo: garantir o desenvolvimento nacional. Terceiro: erradicar a pobreza, a marginalização, e reduzir as desigualdades sociais e regionais”, disse o ministro ao iniciar o discurso.

O presidente do STF deu destaque ao trecho seguinte do mesmo artigo. “Quarto e importantíssimo [objetivo previsto pela Carta Magna]: promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade, e quaisquer outras formas de discriminação”.

Ao final da mensagem, Toffoli disse que o ocupante do principal cargo executivo do país deve respeitar as instituições e a democracia. “O futuro presidente deve respeitar as instituições; deve respeitar a democracia, o Estado Democrático de Direito, o Poder Judiciário, o Congresso Nacional e o Poder Legislativo. E também garantir a pluralidade política como está na Constituição, respeitando também a oposição que se formará”, destacou.

Toffoli deixou o local sem responder às perguntas dos jornalistas. Ao chegar em sua seção eleitoral, ele confirmou visita, na tarde de hoje (28), ao Centro Integrado de Comando e Controle das eleições.

Agência Brasil


Dez urnas foram substituídas no RN; nenhuma ocorrência policial foi registrada

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) informou há pouco que nas primeiras duas horas de votação neste segundo turno das Eleições 2018, das 8h às 10h, foram contabilizadas 20 ocorrências, das quais 10 se trataram de urnas substituídas.

Não foi repassado detalhes das demais ocorrências. Apesar de tudo, as eleições transcorrem tranquilas sem registros de ocorrências policiais. Novos boletins devem ser encaminhados ao longo do dia.

Municípios que tiveram urnas substituídas

Boa Saúde
Ceará-Mirim
Natal (1a zona)
Jucurutu
Nova Cruz
Parnamirim
Macau
Mossoró
Parázinho


Campanha termina sem debate e política vira rivalidade entre torcidas

Os 147 milhões de brasileiros que estão aptos a votar chegam hoje (28) às urnas sem terem tido a oportunidade de ver os dois candidatos que pleiteiam o maior cargo do país exporem os detalhes de suas propostas de governo. Também não puderam ver questionada a viabilidade delas.

A ausência de debate num segundo turno de disputa pela Presidência da República é inédita na redemocratização – e talvez seja a síntese da eleição de 2018, em que a racionalidade e a maturidade política estiveram, como nunca, distantes.

Mesmo liberado pelos médicos, Jair Bolsonaro (PSL) optou, como estratégia de campanha, por não correr o risco de perder, com sua impulsividade, pontos nos debates.

O eleitor não sabe dizer o que Bolsonaro ou seu adversário Fernando Haddad (PT) farão imediatamente, caso assumam o Palácio do Planalto, para, por exemplo, reverter o desemprego, que atinge 13 milhões de trabalhadores e suas famílias.

Ninguém tem na ponta da língua a grande medida de seu candidato, mas qual brasileiro, incentivado pela propaganda de seus presidenciáveis, não discutiu ou ouviu falar do risco iminente de o Brasil virar a caótica Venezuela ou voltar a ser uma ditadura? E o destino tenebroso ocorrer, paradoxalmente, como resultado do voto – exatamente o clímax da democracia?

Um catastrofismo que não resiste a uma breve análise histórica ou a fatos ocorridos ontem mesmo, que reiteram a força das instituições brasileiras. Reafirmada, por exemplo, quando o STF proíbe a invasão policial das universidades e a Justiça impõe tornozeleira eletrônica para o coronel da reserva que ameaçou e xingou magistrados.

Regada a fake news, que já inscreveu no futuro do PSL uma investigação por crime eleitoral, a campanha presidencial de 2018 foi certamente a mais violenta, a começar pela facada levada por Bolsonaro.

Violência que, apesar de condenada pelos candidatos, ganhou espaço nas ruas, na forma de animosidade entre torcidas.

No último dia de propaganda eleitoral, os dois candidatos mantiveram, na voz dos locutores, os pesados ataques mútuos. Foi a eleição em que se pediu mais o voto contra o adversário do que a favor da própria candidatura. Basta lembrar os movimentos #EleNão versus #PTNão.

O tom impressionista e emocional predominou nos discursos e o imaginário foi longe na campanha. A ponto de a Justiça Eleitoral ter de mandar um candidato parar de se apresentar com a cara de outro. Hoje, abertas as urnas, se imporá para o vencedor o Brasil real.

Agência Brasil