Categoria: Saúde

Ação judicial pede para afastar prefeito que não se isolou ao contrair Covid-19

Reprodução

O prefeito do município de Encanto, Atevaldo Nazário da Silva (DEM), é alvo de uma ação civil pública movida na última segunda-feira (20) pelo Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN). O pedido é de afastamento imediato do gestor do cargo público. A justificativa é que o prefeito, que foi diagnosticado com a Covid-19, não seguiu isolamento social, mantendo atividades públicas à frente do Munici.

A ação de tutela provisória de urgência foi aberta pelo promotor Paulo Roberto de Freitas, da 3ª Promotoria de Pau dos Ferros. Ele aponta que o prefeito deveria ficar isolado por 14 dias, após a confirmação da infecção pelo novo coronavírus, mas Atevaldo Nazário não completou o período de quarentena. Segundo o promotor, o prefeito teve contato com 49 pessoas no dia 14 de abril, dois dias após ele ter iniciado o perído de isolamento social, o que poderia levar riscos à saúde pública do município.

Segundo dados da Secretaria Estadual de Saúde Pública, a cidade de Encanto tem quatro casos confirmados de Covid-19.

A Procuradoria Jurídica do Governo de Encanto recebeu “com surpresa” o pedido de afastamento do prefeito Atevaldo Nazário. O processo, hoje, está na 3ª Vara da Comarca de Pau dos Ferros.

Segundo a Procuradoria de Encanto, a prefeitura municipal tem tomado todas as medidas na área da saúde, através do departamento competente, a Secretaria Municipal de Saúde (Semus). O Munucípio informa que foi imposta quarentena a todas as pessoas suspeitas de Covid-19, realizados testes, exames e jamais negligenciado nenhum cuidado nesse sentido.

Com relação ao prefeito da cidade, a Procuradoria diz que o gestor continua a acompanhar todas as ações da máquina pública, em reclusão domiciliar, à distância. “Os colaboradores em isolamento social desenvolvem seus trabalhos por contato telefônico, WhatsApp e videochamadas. Destarte, a gestão está atuando regularmente, sem qualquer sobressalto. A diferença são as ponderações relacionadas ao novo coronavírus; nada parou de estar em atividade”, aponta a Procuradoria, em nota oficial.

Agora RN

Prefeito de Manaus chora, pede ajuda e diz que Bolsonaro tem de ser presidente de verdade e respeitar coveiros

O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto (PSDB-AM​), diz que a capital do Amazonas já não vive uma emergência, mas um estado de calamidade. A cidade tem, até o momento, 1.809 casos de contaminação pelo coronavírus, além de 163 óbitos. O estado tem taxa de ocupação de 91% de seus leitos de UTI, cálculo que Virgílio considera exageradamente otimista.

O tucano revela ao Painel uma outra conta com a qual ele afirma ter ficado assombrado: no domingo (19), 17% (ao menos 20 indivíduos) das 122 pessoas enterradas em Manaus morreram em suas casas. Na segunda (20), a taxa subiu para 36,5% (ao menos 38 pessoas) dos 106 mortos. “São números que mostram o colapso. Estamos chegando no ponto muito doloroso, ao qual não precisaríamos ter chegado se tivéssemos praticado a horizontalidade da quarentena, no qual o médico terá que se fazer a pergunta: salvo o jovem ou o velho? “, diz. “Estamos em ponto de barbárie.”

Nem todos os casos de mortos citados pelo prefeito receberam até o momento a confirmação de terem relação com o coronavírus. No entanto, Virgílio afirma acreditar que, sim, a contaminação pelo Covid-19 seria o motivo.

Virgílio reuniu-se nesta segunda-feira (20) com o vice-presidente, Hamilton Mourão, para apresentar as demandas da cidade na pandemia. Pediu aparelhos de tomografia, profissionais treinados, equipamentos de proteção individual e remédios. “O Tamiflu (nome comercial do oseltamivir) estamos dando contado”, diz.

“O Amazonas pede socorro. SOS Amazonas. Aceitamos voluntários, médicos, aparelhos que estejam em bom funcionamento ou novos”, completa. Ele afirma que escreverá uma carta aos líderes do G20 solicitando ajuda.

Virgílio diz ter aproveitado o encontro para desabafar contra Jair Bolsonaro. Ele, cujo pai, o senador Arthur Virgílio Filho, teve o mandato cassado pela ditadura militar, revoltou-se com a presença do presidente no ato pró-golpe militar de domingo (19).

“Não podia deixar de condenar o presidente participar de um comício, aglomerando, e ainda por cima tecendo loas a essa coisa absurda que foi o AI-5. Cassou meu pai, cassou Mário Covas, pessoas acima de quaisquer suspeitas, e que serviam o país”, diz.

“É de extremo mau gosto o presidente participar de um comício, insistentemente contrariando a Organização Mundial da Saúde e os esforços que fazem governadores e prefeitos”, afirma Virgílio. “Bolsonaro toca diariamente nas minhas feridas.”

Segundo Virgílio, Mourão ouviu calado.

Horas depois do desabafo, Bolsonaro voltaria a incomodar o prefeito ao dizer que não é coveiro após ter sido perguntado pela Folha sobre o número aceitável de mortes por coronavírus.

“Queria dizer para ele que tenho muitos coveiros adoecidos. Alguns em estado grave. Tenho muito respeito pelos coveiros. Não sei se ele serviria para ser coveiro. Talvez não servisse. Tomara que ele assuma as funções de verdadeiro presidente da República. Uma delas é respeitar os coveiros”, afirma Virgílio. Ao falar sobre esses funcionários, começou a chorar.

“Não fui criado sob essa lógica do ‘homem não chora’. Nessa crise tem acontecido isso. Às vezes, consigo controlar. Não que precisasse controlar. Muitas vezes, não consigo”, afirma.

Sobre as valas que têm sido abertas pela prefeitura para comportar o aumento do número de corpos, o prefeito diz que estão sendo usadas retroescavadeiras para dar conta do serviço.

“Tem ali o retrato da família, põe o retrato da pessoa para poder ser homenageada em 2 de novembro [dia de finados], para não ficar aquela coisa que me lembra a ditadura militar, em que a família sabe que morreu mas não sabe onde está o corpo. É um trabalho incessante para evitar o caos funerário”, diz Virgílio.

Segundo ele, os caixões serão colocados próximos uns aos outros, “bem juntos”, mas ressalta que haverá separação entre as valas.

PAINEL / FOLHAPRESS

10 estados já tomaram medidas para flexibilizar isolamento

Dez estados já tomaram medidas para flexibilizar o isolamento social imposto nas últimas semanas como forma de combater a disseminação do coronavírus no Brasil. A conclusão é de um levantamento da liderança do governo no Congresso Nacional, obtido pelo GLOBO.

O documento mapeia ações de flexibilização em Goiás, Paraná, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina, Maranhão, Distrito Federal, Tocantins, Espírito Santo, Paraíba e Sergipe. Há ainda outros dois estados, São Paulo e Mato Grosso, que já estudam formas de pôr em prática uma reabertura.

No Distrito Federal, a reabertura do comércio está programada para o dia 3 de maio. É a única unidade da federação da lista em que uma parte da flexibilização não está valendo a partir de agora. Os governadores adotaram graus diferentes de reabertura. Escolas, por exemplo, estão fechadas ainda em todo o país.

Em alguns estados, precauções de segurança são uma contrapartida para a reabertura. Na Paraíba, foram liberadas óticas, empresas de produtos hospitalares e concessionárias de carros desde que sejam fornecidas máscaras para os funcionários. No Espírito Santo, há a mesma exigência para os 72 municípios em que as prefeituras estão autorizadas a reabrir o comércio.

Em Goiás, o uso de máscaras é obrigatório. Em Santa Catarina, hotéis poderão ativar 50% de sua capacidade total de hospedagem e restaurantes podem reabrir, desde que mantenham os salões fechados. No comércio de rua, clientes não podem experimentar roupas, e o número de pessoas nas lojas não pode superar 50% da capacidade do local.

O presidente da República Jair Bolsonaro tem defendido um retorno à normalidade das atividades comerciais. Na semana passada, na posse do novo ministro da Saúde, Nelson Teich, ele reconheceu que essa pressão “é um risco que eu corro” e criticou as medidas dos governadores para reforçar o isolamento.

Em São Paulo, segundo o documento da liderança de governo, técnicos estão definindo “quais setores serão autorizados a voltar a funcionar e quais regiões do Estado terão mais flexibilidade do que as outras”.

Para isso, seriam sopesados fatores como importância econômica, vulnerabilidade social e riscos de saúde envolvidos (como número de casos e a capacidade instalada de UTIs). Mato Grosso “deve flexibilizar isolamento social já nesta semana”, com base nas orientações de um decreto editado estadual do fim de março. No estado, as prefeituras determinaram o fechamento do comércio, e não o governo.

Uma recomendação do Ministério da Saúde de 6 de abril permite a migração de cidades para um “distanciamento social coletivo” a partir de 13 de abril, caso os casos não tenham comprometido mais de 50% da capacidade do seus sistemas de saúde e tenham equipamentos de proteção o suficiente para profissionais.

No Rio de Janeiro, o governador Wilson Witzel irá decidir sobre novas medidas de relaxamento da quarentena nesta quinta-feira, segundo o colunista do GLOBO Lauro Jardim. No dia 7 de abril, o governador já afrouxou restrições em 30 cidades do interior onde não haviam sido registrados casos de Covid-19.

O GLOBO

Ocupação de leitos de UTI com pacientes em estado crítico atinge 28,5% no RN

Há 92 pessoas internadas nos hospitais do Rio Grande do Norte com coronavírus ou suspeita da doença. Destas, 57 em estado crítico, ou seja, que precisam de respiradores. Dos 92 casos, 44 estão confirmados com a Covid-19 e 48 suspeitos. Estes números mostram um dado preocupante, de acordo com Petrônio Spinelli: a taxa de ocupação de leitos que nesta segunda, 20, apenas um dia antes, era de 21,5% subiu para 28,5% com acréscimo mais forte nos polos de Natal e Mossoró.

Diante deste quadro, o Governo do RN intensifica a abertura de leitos, mas reforça a orientação do isolamento social e cumprimento das regras de proteção. “Precisamos voltar a um patamar mais confortável e para isso precisamos contar com o apoio de todos ficando em casa, protegendo os idosos e mais vulneráveis e usar máscara”, afirmou o secretário adjunto.

O secretário informou também a necessidade de doações pontuais para a montagem dos leitos UTIs. “São equipamentos simples, de pequeno porte, como aparadeiras, mas necessários, que poderiam ficar fora das licitações. Estamos elaborando uma lista com as necessidades para doações e esperamos contar com o apoio da sociedade”.

Na coletiva, o secretário de segurança e defesa social, Francisco Araújo, registrou a atuação das forças de segurança em duas ocorrências de desrespeito às normas de combate ao novo coronavírus. Uma ocorreu no município de Tibau do Sul onde 70 pessoas participavam de uma festa e foram conduzidas à delegacia de polícia. Outra foi aplicação de multa a um estabelecimento comercial funcionando em Natal em desconformidade com normas dos decretos do Governo do Estado, resultado de uma força tarefa estabelecida entre as Polícias Militar e Civil, Procon e Controladoria Geral do Estado para fiscalizar o cumprimento das medidas governamentais.

Portal Grande Ponto

Morador de rua é a sétima morte por Covid-19 em Natal; total de óbitos no RN vai a 29

Reprodução

Na manhã desta terça-feira (21), a Secretaria Municipal de Natal (SMS) confirmou a sétima morte de coronavírus na cidade. O homem era morador de rua, tinha quadro de tuberculose, além de ser usuário de crack. O caso estava em investigação desde 7 de abril, quando o paciente de 52 anos foi conduzido para uma Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) com tosse, febre e desconforto respiratório, mas morreu no mesmo dia.

Além das 29 mortes que o RN já registra por coronavírus, o estado possui 608 casos confirmados da infecção em 46 cidades. Os dados são do último Boletim Epidemiológico da Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap), divulgado nesta segunda-feira (20).

O RN possui também 2.754 casos suspeitos e 2.575 descartados. Segundo a Sesap, há 161 pessoas recuperadas. Já existem notificações da infecção em 151 municípios do estado.

O número de pacientes internados com confirmação ou suspeita da doença soma 92. Destes, 57 em estado crítico, ou seja, que precisam de respiradores. Dos 92 casos, 44 estão confirmados com a Covid-19 e 48 suspeitos.

Mortes
As 29 mortes no RN foram registradas nas seguintes cidades:

  • Mossoró: 8 mortes
  • Natal: 7 mortes
  • Tenente Ananias: 2 mortes
  • São Gonçalo do Amarante: 2 mortes
  • Canguaretama: 2 mortes
  • Cerro Corá: 1 morte
  • Taipu: 1 morte
  • Assu: 1 morte
  • Lagoa de Pedras: 1 morte
  • Apodi: 1 morte
  • Encanto: 1 morte
  • Touros: 1 morte
  • São Rafael: 1 morte
  • Total: 29 mortes

Agora RN

Idoso de 88 anos é 24ª morte por coronavírus no RN; veja dados atualizados

O Rio Grande do Norte confirmou mais um óbito causado por coronavírus neste sábado (18). A vítima foi um senhor de 88 anos que morava na cidade de Encanto-RN. Ele estava internado em um hospital estadual na cidade de Pau dos Ferros. Com essa confirmação, o RN já soma 24 óbitos causado pela Covid-19.

A informação foi repassada pelo secretário Adjunto de Saúde do RN, Petrônio Spinelli, em coletiva de imprensa realizada na manhã deste sábado (18) na Escola de Governo. O Estado possui ainda 516 casos confirmados da doença, além de 2.171 casos suspeitos, 2.363 descartados e 124 recuperados.

Até o momento 147 cidades  do Rio Grande do Norte têm casos notificados – confirmados ou em investigação. Outros 35 óbitos que estavam em investigação foram descartados para coronavírus, mas há ainda outras 10 mortes sob análise.

Portal Grande Ponto

Barcelona tem o primeiro caso confirmado do Covid-19; Paciente que estava em isolamento já está curado

Em nota divulgada para a imprensa da região Potengi, a Secretaria Municipal de Saúde de Barcelona confirmou o primeiro caso positivo do coronavírus, o Covid-19.

Confira a nota:

Em atenção à população do nosso município e toda região, a Prefeitura de Barcelona, aliada à Secretária Municipal de Saúde, vem através desta nota, informar sobre os resultados dos exames feitos em dois pacientes com sintomas suspeitos da COVID-19.

Como já é sabido e divulgado anteriormente, o primeiro paciente foi descartado para Coronavírus, 15 dias depois da coleta do SWAB (exame para Coronavírus). Estávamos atentos e aguardando o segundo resultado mas tranquilos, uma vez que a Secretaria vinha monitorando os dois casos pessoalmente e os mantendo em isolamento social.

De acordo com as datas que serão colocadas posteriormente, apesar do segundo exame ter atestado POSITIVO para a Covid (quinta feira 16/04) no segundo paciente, o mesmo já havia cumprido o período estabelecido de quarentena, não representando qualquer risco de contágio.

Segue CRONOGRAMA

22/03 – Início dos primeiros sintomas e Consulta dos suspeitos na Unidade Mista Maria Gomes da Rocha as 10:58h;
22/03 – Coletado os SWAB dos suspeitos as 11:23h;
22/03 – Início do Isolamento Social e Monitoramento dos casos pela Secretaria de Saúde;
23/03 – Exames encaminhados ao LACEN;
06/04 – Resultado do exame de um dos suspeitos – Negativo;
06/04 – Avaliação médica realizado pela equipe de saúde aos suspeitos;
07/04 – Fim do Isolamento Social – os suspeitos não apresentavam mais sintomas e nem risco de transmissão.
16/04 – Resultado do exame do segundo suspeito – Positivo.

Reforçamos que nos 16 dias de Isolamento social, a Secretaria Municipal de Saúde monitorou os casos suspeitos 24h, dando todo suporte necessário aos pacientes e familiares. Os pacientes foram avaliados e como encontravam-se assintomáticos, foram liberados do isolamento com orientação técnica e baseados em dados do Governo do Estado.

Att.
Elisa Alves.

Secretária de Saúde do Município de Barcelona.

Mais duas mortes por coronavírus são registradas no RN; estado contabiliza 23 óbitos

Mais duas mortes por coronavírus foram registradas no Rio Grande do Norte na noite dessa quinta-feira(16). A Secretaria de Saúde de Mossoró informou um óbito de uma mulher, de 76 anos, ocorrido no dia 14 de abril, e confirmado para Covid-19 nessa data. A vítima era doente renal crônica, cardíaca e com diabetes. Mossoró, com mais um caso fatal, chega a oito mortes pela doença.

Em Assu, um homem de 61 anos foi a primeira morte provocada pela doença na cidade. A prefeitura do município confirmou o óbito nesta quinta-feira (16). A vítima tinha problemas cardíacos crônicos.

Segundo a Prefeitura de Assu, o homem deu entrada no pronto socorro municipal no domingo (12), com falta de ar e pressão alta. Após a realização de um exame, a suspeita inicial dos médicos foi e infarto.

Com os dois óbitos, o Rio Grande do Norte soma 23 vítimas por complicações ao coronavírus.

Com acréscimo de informações do G1-RN e Blog Saulo Vale

Secretaria de Saúde de Mossoró confirma 7ª morte por coronavírus; RN tem 21 óbitos

A Secretaria de Saúde de Mossoró confirma a sétima morte causada pelo novo coronavírus. A vítima era um homem de 52 anos, cardíaco, com obesidade e diabetes, que estava internado em um hospital privado desde o dia 1 de abril e veio a óbito nesta quinta-feira (16).

O homem de 52 anos tinha feito o teste para a Covid-19 no dia 29 de março. O resultado confirmando a doença saiu no dia 3 de abril.

Mortes por coronavírus no RN

Até o momento, foram registradas 21 mortes no Rio Grande do Norte. Elas aconteceram nos seguintes municípios:

  • Mossoró (7)
  • Natal (5)
  • Tenente Ananias (2)
  • São Gonçalo do Amarante (2)
  • Taipu (1)
  • Apodi (1)
  • Cerro Corá (1)
  • Lagoa de Pedras (1)
  • Canguaretama (1)

Boletim Epidemiológico

A Secretaria de Saúde Pública do Rio Grande do Norte (Sesap) divulgou nesta quinta-feira (16) que o número de casos confirmados de coronavírus no estado subiu para 400. Segundo a pasta, 2.232 casos ainda são considerados suspeitos e 2.207 foram descartados.

Na quarta-feira (15), a Sesap havia informado que 399 pessoas tinham testado positivo para a Covid-19 no RN. Com isto, o acréscimo foi de apenas uma pessoa.

Agora RN

Mandetta anuncia em rede social que foi demitido da Saúde

Em meio à pandemia do novo coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro demitiu nesta quinta-feira (16) o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. A informação foi divulgada pelo próprio ministro em uma rede social.

“Acabo de ouvir do presidente Jair Bolsonaro o aviso da minha demissão do Ministério da Saúde. Quero agradecer a oportunidade que me foi dada, de ser gerente do nosso SUS, de pôr de pé o projeto de melhoria da saúde dos brasileiros e de planejar o enfrentamento da pandemia do coronavírus, o grande desafio que o nosso sistema de saúde está por enfrentar”, escreveu Mandetta.

“Agradeço a toda a equipe que esteve comigo no MS e desejo êxito ao meu sucessor no cargo de ministro da Saúde. Rogo a Deus e a Nossa Senhora Aparecida que abençoem muito o nosso país”, prosseguiu.

Ex-deputado federal, Mandetta estava à frente da pasta desde o início do governo, em janeiro de 2019, e ganhou maior visibilidade com a crise provocada pelo novo coronavírus.

Nas últimas semanas, contudo, Bolsonaro e Mandetta tiveram divergências públicas em razão das estratégias para conter a velocidade do contágio da Covid-19, doença provocada pelo vírus.

Em entrevista ao Fantástico, no domingo (12), Mandetta disse que a população não sabe “se escuta o presidente ou o ministro” da Saúde em relação a medidas.

Em coletiva nesta quarta (15), no Palácio do Planalto, o então ministro da Saúde disse que era claro o “descompasso” entre a pasta e as orientações do presidente Jair Bolsonaro. Segundo Mandetta, pessoas cotadas para a sucessão no cargo chegaram a ligar para ele em busca de aconselhamento.

Na entrevista, o ministro também disse que a equipe montada por ele e empossada em 2019 trabalharia em conjunto, e ajudaria na transição para evitar uma ruptura na política contra a Covid-19.

O último dia

Na manhã desta quinta, Mandetta participou de um seminário virtual sobre o enfrentamento ao coronavírus. Durante o papo, afirmou que a perspectiva era de que a mudança no comando do ministério acontecesse “hoje, no mais tardar amanhã”.

No mesmo horário, o presidente Jair Bolsonaro recebeu no Palácio do Planalto o oncologista Nelson Teich. O médico, que atua em São Paulo, desembarcou em Brasília como o principal cotado para assumir o Ministério da Saúde.

Em artigo recente sobre a pandemia, Teich se mostrou a favor do isolamento horizontal, como Mandetta. Ele também afirmou, também em texto nas redes sociais que o enfrentamento da crise não pode levar em conta apenas fatores econômicos ou apenas fatores sanitários.

Até a publicação desta reportagem, nem a reunião com Bolsonaro nem a nomeação de Teich para o cargo tinham sido oficializadas pelo Palácio do Planalto.

Discordâncias

O presidente defende o que chama de “isolamento vertical”, ou seja, isolar somente idosos e pessoas com doenças graves, que estão no grupo de risco. Bolsonaro repete que o isolamento amplo, com suspensão de atividades, traz prejuízos à economia que ele considera até mais graves do que as mortes provocadas pelo coronavírus.

Mandetta reforçou nas últimas semanas a necessidade de isolamento para toda a população e reafirmou que as recomendações e determinações do Ministério da Saúde seguem parâmetros científicos e da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Em três ocasiões diferentes, Bolsonaro saiu por ruas de Brasília e cumprimentou apoiadores, mantendo contato físico e descumprindo as orientações dadas por Mandetta e pelas autoridades internacionais de saúde.

A discussão sobre as medidas de restrição, com suspensão de atividades comerciais e aulas, por exemplo, gerou embate do presidente não só com Mandetta, mas também com governadores – em especial com o de São Paulo, João Doria (PSDB), e o do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC).

Bolsonaro e Mandetta também discordaram sobre um remédio usado para tratamento de malária como alternativa para o coronavírus, a cloroquina (escute o podcast O assunto sobre o tema ao final da reportagem). Bolsonaro é entusiasta do remédio para tratar a Covid-19. Mandetta alerta para a falta de estudos científicos sobre o tema.

Com G1

Open chat