Categoria: Educação

IFRN de São Paulo do Potengi conquista medalha de menção honrosa na Olimpíada de Matemática dos Institutos Federais

IFRN conquista medalha de menção honrosa na Olimpíada de Matemática dos Institutos Federais

O Campus São Paulo do Potengi do IFRN recebeu, no mês de setembro, uma medalha de menção honrosa na 2º edição da Olimpíada de Matemática dos Institutos Federais (OMIF). O aluno do curso de Edificações, Renhan Miguel dos Santos, conquistou a medalha e foi o único classificado do Campus. A conquista do estudante foi a terceira deste ano em olimpíadas de matemática, já obtendo classificações na Olimpíada de Matemática da Unicamp (OMU), na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) e, agora, na OMIF.

A disputa aconteceu de 20 a 22 de setembro, no Instituto Federal Fluminense (IFF), localizado no Município de Campos dos Goytacazes/RJ. Para Renham, um evento deste porte, significa um incentivo para o ensino. “As olimpíadas, quaisquer que sejam, nos trazem um motivo a mais para estudar aquilo que mais nos identificamos, revelando, muitas vezes, novos talentos. Não é uma competição, mas sim para cada um dar o seu melhor e reconhecer o seu próprio esforço”, disse.

Quando perguntado sobre a experiência, o aluno revelou se sentir privilegiado. “Já tive o prazer de poder participar de olimpíadas assim, o que aumentou cada vez mais o meu interesse e amor pela matemática. Trocar ideias, conviver, interagir com pessoas de outras regiões que se identificam com você, traz um ganho incalculável para qualquer um. Para muitos, sair da 2ª fase da OMIF com uma menção honrosa no peito, é uma conquista mínima, mas para mim e para os envolvidos, sabemos que foi uma conquista em tanto”, contou Renhan.

O professor Genilton Cavalcante, em nome do IFRN, agradeceu o apoio e o êxito do estudante. “Agradecemos, inicialmente, a Prefeitura de São Paulo do Potengi que contribuiu significativamente para o custeio das passagens de Renhan. Sem este auxílio a viagem não seria possível. No mais, registro que fiquei radiante com o resultado dele. A medalha de menção honrosa, para nós, teve o mesmo valor que uma medalha de ouro”, comentou.

IFRN/SPP

Equipe do IFRN de São Paulo do Potengi participa da 2ª fase da Olimpíada de Matemática do RN

Equipe do IFRN participa da 2ª fase da Olimpíada de Matemática do RN

IFRN – Campus São Paulo do Potengi destaca, mais uma vez, a atuação dos seus alunos na área Matemática. Desta vez, um grupo de estudantes do Campus participou da segunda fase Olimpíada de Matemática do Rio Grande do Norte – OMRN, realizada no último sábado (5). A equipe de alunos formada por: Renhan Miguel dos Santos, Wellton Bezerra, Lavínya Lorhana Basílio, Laura Lorenza Basílio e Maria Sales, participa da edição 2019 visando conquistar medalhas e menções honrosas, representando o Instituto. A divulgação da lista de premiados está prevista para 1º de novembro.

A Competição Matemática do Rio Grande do Norte (OMRN) é uma disputa entre os jovens, de caráter intelectual, um torneio onde as armas dos participantes são a inteligência, a criatividade, a imaginação e a disciplina mental. Nela, os estudantes são divididos, conforme o ano que cursa na sua escola, em três níveis. Em cada nível, a competição consiste em duas ou mais provas, pelas quais o aluno demonstra a sua capacidade na resolução de problemas. Os três níveis são: Nível I – Ensino Fundamental – 6ª e 7ª séries; nível II – Ensino Fundamental – 8ª e 9ª séries; nível III – Ensino Médio; nível IV – Nível universitário.

Senador critica “omissão” da governadora e pede ao MEC escolas militares no RN

Senador critica "omissão" da governadora e pede ao MEC escolas militares no RN

A governadora Fátima Bezerra (PT) decidiu não incluir o Rio Grande do Norte no programa de escolas cívico-militares lançado pela gestão de Jair Bolsonaro (PSL). Mas, se utilizando da prerrogativa de ser um dos três representantes do Estado no Congresso Nacional, o senador Styvenson Valentim (Podemos) enviou um ofício ao Ministério da Educação dentro do prazo limite para inscrição no programa e solicitou a inclusão de duas escolas potiguares no projeto. O parlamentar aproveitou ainda para criticar o que considerou uma “omissão” do governo potiguar, e disse que as crianças do Estado não podem ser prejudicadas ficando de fora desse importante programa.

“Ciente que represento no Congresso Nacional o estado do RN, uso deste instrumento, com o intuito de evitar a preclusão do prazo estabelecido, para informar que, em nossa percepção, o estado do RN tem a intenção de aderir ao Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares”, diz Styvenson o ofício encaminhado ao MEC.

Nas redes sociais, o parlamentar postou na sua conta pessoal o texto a seguir: “Na qualidade de representante do estado do Rio Grande do Norte no Congresso Nacional, o senador Styvenson Valentim comunicou, por ofício, à governadora do RN, o interesse de escolas potiguares aderirem ao Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares, lançado pelo governo federal. Diante do silêncio do governo do estado, o senador Styvenson enviou outro ofício, ao ministro da Educação, Abraham Weintraub, expressando sua preocupação em deixar as crianças potiguares de fora desse importante programa. Sem a adesão do RN, as crianças potiguares estarão impedidas de uma grande oportunidade, pois o prazo de inscrição se encerrou no dia 27 de setembro. Confira no documento (foto acima) o esforço de Styvenson, diante da omissão do governo estadual, para incluir as crianças potiguares no programa das Escolas Cívico-Militares”

Portal Grande Ponto

RN não adere a programa de escola militar do Governo Federal. “diversidade e questão pedagógica foram determinantes”

O Rio Grande do Norte são aderiu ao modelo de escolas cívico-militares proposto pelo Governo Federal. De acordo com balanço divulgado nesta terça-feira pelo Ministério da Educação, 15 estados e o Distrito Federal aderiram ao programa, que teve prazo até a última sexta-feira para decisão dos estados. O próximo passo é abrir prazo, entre a próxima sexta-feira e o dia 11, para que prefeituras decidam se querem adotar ou não o modelo.

O Governo do Rio Grande do Norte estudava se iria aderir ao Programa Nacional de Escolas Cívico-Militares, do Ministério da Educação (MEC). Na semana passada, o secretário estadual de Educação, Getúlio Marques, disse a adesão dependeria de algumas exigências, como a garantia de que o programa não afetasse a gestão pedagógica das escolas. Assim como esse ponto, havia outros que o governo alegava que não estavam explicados no projeto, mas que seriam cruciais para a resposta do Estado.

O secretário estadual de Educação, Getúlio Marques, alegou que o conteúdo dos documentos, o disponibilizado pelo Mec e o que foi encaminhado à governadora Fátima Bezerra, não esclarece detalhes. “Não esclarece como, de fato, o Programa poderia ser aplicado sem interferir em princípios como a diversidade nas escolas”, afirmou, citando essa questão entre outros pontos.

Quanto ao conteúdo do programa, o secretário falou que apesar de não haver detalhamentos iniciais e do próprio Mec garantir que seria detalhado em algum momento, o secretário afirma que por várias questões, a escolha se deu pela não adesão. “O programa foge dos nossos princípios, dos nossos modelos pedagógicos, foge da nossa legislação, e do que entendemos por gestão democrática nas escolas. Não há um motivo único, várias questões foram consideradas para nossa opção de não aderir ao Programa”.

TRIBUNA DO NORTE

Estudantes do curso de Edificações propõem adaptação de passarela do Novo Juremal em São Paulo do Potengi

Estudantes do curso de Edificações propõem adaptação de passarela

Com intuito de trazer resultados práticos, que possam beneficiar a população de São Paulo do Potengi, os alunos Bruno Soares e Anathan Anjos idealizaram um projeto de adaptação da passarela localizada no bairro Novo Juremal, uma das principais áreas de interligação entre o centro comercial do município e a rodovia RN-120. O trabalho foi apresentado na conclusão do Curso Técnico Integrado em Edificações, orientado pelos professores Petterson Dantas e Edson Martins.

A iniciativa traz propostas de intervenções e melhorias na segurança, acessibilidade e fluxo de automóveis e pedestres por meio de um projeto arquitetônico, que inclui ainda uma área para apreciação do pôr do sol, tornando o local uma atração turística. De acordo com os alunos, embora a estratégia utilizada no TCC tenha sido um estudo de caso, os resultados do projeto poderão oferecer diversos benefícios para a população local, além de servir como fonte de possíveis atividades que possam vir a somar e aprimorar a região.

Os professores, por sua vez, afirmam estar muito satisfeitos com o trabalho e, principalmente, com os desdobramentos que poderão ser atingidos. “Primeiramente, por se tratar de um caso real, baseado na reflexão de melhoria da nossa realidade. Segundo, porque nesse trabalho eles não só aplicaram o conhecimento adquirido no curso, mas também avançaram para conteúdos novos. E, por fim, conseguiram transformar o trabalho de saída do IFRN no de entrada para um novo ciclo que começa na formação superior”, afirma o professor Petterson.

Ele explica ainda que o projeto atual da passarela não está de acordo com as Normas Brasileiras (NBR) da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT. “O estudo também constatou que as vias de tráfego de veículos no local não estavam coerentes com as diretrizes do Departamento Nacional de Infraestruturas de Trânsito (DNIT). Portanto, os resultados também apontam para uma melhora do tráfego na área com a aplicação de um ‘binário’ nas vias referenciadas no entorno do Potengi”, acrescenta.

Resultados

O TCC dos alunos resultou em um convite para apresentar o trabalho no 4º Congresso Nacional de Construções de Edifícios (IV Conaced), realizado entre os dias 8 e 10 de agosto, em João Pessoa. Nesta edição o evento abordou a temática: “Casos Práticos de Soluções em Arquitetura e Engenharia”.

O aluno Bruno Soares não esconde a satisfação da experiência vivenciada no Conaced. “Fico imensamente feliz por ter tido o meu trabalho aprovado pois sei o quanto isso irá agregar na minha vida. Ter a oportunidade de estar perto de grandes referências profissionais, assistir palestras ministradas por eles, conhecer novas tecnologias e materiais na área da construção civil foi uma sensação inexplicável”, afirma.

Segundo ele, o papel do Instituição e dos professores foi fundamental. “Só tenho a agradecer ao IFRN, ao meu colega e também autor do trabalho, Anathan Anjos, e aos meus orientadores. Sem eles, não teríamos chegado até aqui”, concluiu.

IFRN/SPP

Professora do IFRN de São Paulo do Potengi vai desenvolver projeto intercultural na Argentina

Maraísa Alves foi selecionada pela AFS Intercultura entre professores de quatro estados

A professora Maraísa Alves, do Campus São Paulo do Potengi do IFRN, ganhou uma bolsa no Programa de Intercâmbio Educadores com Causa, da AFS – Intercultura Brasil, entidade internacional que visa a promover intercâmbio entre conhecimentos e culturas. Após avaliação e entrevista online, a ideia da professora de Espanhol foi a selecionada entre outras submetidas por professores do Rio Grande do Norte, Ceará, Paraíba e Pernambuco. O projeto, intitulado Construindo Sentidos na Produção Textual em Espanhol: uma proposta interdisciplinar entre Brasil e Argentina, tem como objetivo desenvolver a produção escrita de diferentes tipologias textuais com estudantes argentinos, usando como suporte demais gêneros que apresentem a diversidade dos aspectos culturais brasileiros.

“O convênio do IFRN com a AFS – Intercultura Brasil possibilitou minha candidatura no processo, ou seja, o Instituto gera e estimula possibilidades de intercâmbio cultural a seus servidores e alunos”, disse, quando perguntada sobre o papel da Instituição em sua conquista. Maraísa terá duas semanas na Argentina para realizar o desenvolvimento do projeto, que priorizará o conhecimento e a produção de diferentes gêneros textuais (como bilhete; cartão postal; cartaz; e-mail; carta; e notícia), com o intuito, também, de gerar um espaço de propagação de temas como a preservação ambiental, as políticas de previdência atual e a argumentação. “Os alunos e as alunas estudarão as tipologias descritiva, narrativa, expositiva e argumentativa, utilizando-as de acordo com os gêneros textuais abordados”, comentou.

Metodologia

O projeto, que será desenvolvido na escola hospedeira entre os dias 20 de setembro e 4 de outubro, é baseado em três aspectos: a disciplina que a professora ministra no IFRN, os aspectos culturais brasileiros e o sistema educacional do país. “Desse modo, além do projeto intercultural que desenvolverei com os estudantes, poderei partilhar com os professores e o corpo técnico sobre o funcionamento do nosso Instituto, bem como as ações de pesquisa e extensão realizadas e os documentos que orientam nossa jornada”, disse.

Expectativas para o retorno ao IFRN

Como espaço de vivências com outra cultura, Maraísa afirma estar certa de que o intercâmbio será enriquecedor para sua experiência como docente: “terei a oportunidade de participar diretamente da cultura argentina, expondo um pouco de nossas raízes aos hermanos”, disse. “De igual modo, quando retornar às minhas atividades no Campus São Paulo do Potengi, compartilharei o conhecimento sobre apresentação do projeto desenvolvido na escola argentina, bem como uma discussão sobre diferentes aspectos argentinos, tais como os biomas existentes, a história de algumas manifestações culturais, como o tango e a milonga, e, finalmente, uma exposição dos estudantes com salas temáticas que apresentem um pouco da cultura argentina”, concluiu.

Educação e segurança não funcionam no Brasil, diz Styvenson

José Aldenir / Agora RN

O senador Styvenson Valentim (Pode-RN) usou a tribuna na última quinta-feira, 15, para chamar a atenção sobre falta de segurança no Rio Grande do Norte que, proporcionalmente, é o estado onde morrem mais jovens de forma violenta no Brasil. “Esse número seria reduzido, se duas áreas funcionassem devidamente em nosso país: a educação e a segurança pública”, enfatizou o senador.

Em seu discurso, Styvenson apresentou dados do Atlas da Violência, que tem por base os registros do Sistema Único de Saúde (SUS). Em 2017, foram 62,8 mortes violentas por 100 mil habitantes. É o maior índice entre as unidades da federação. É também o estado onde essa taxa mais cresceu entre 2006 e 2017. A alta foi de 320%.

As pessoas de 15 a 29 anos, que mais morrem em crimes violentos, estão no Rio Grande do Norte. Um total de 152 vítimas para cada 100 mil habitantes. Um crescimento de 482% desde 2006. Um estudo recente do Observatório da Violência do Rio Grande do Norte mostra o perfil de quem morreu entre 2011 e 2018. Cerca de 93% das vítimas eram homens; 85% eram pretas ou pardas; 49% tinham entre 18 e 29 anos. Mais, 31% não tinham sequer completado o ensino fundamental, 54% não trabalhavam e 39% ganhavam até dois salários mínimos.

“Esse perfil certamente é o da maior parte das vítimas no país. Já passou da hora que alguma coisa seja feita. E a palavra aqui é investimento, volto a dizer, em educação e em segurança pública”, ratificou o senador. Styvenson lembrou que o Rio Grande do Norte recebeu, no começo de julho, do Governo Federal, cerca de dois milhões de reais em equipamentos para a Polícia Militar do estado, o que ainda não é suficiente para combater o crime de acordo com ele.

A diminuição dos valores previstos para a Segurança Pública no Orçamento da União e a incerteza do repasse dos recursos também foram criticados pelo parlamentar potiguar. Em 2017 a indicação orçamentária era de R$ 13 mi e esse valor caiu para apenas R$ 1,5 mi em 2018, dos quais pouco mais de R$ 900 mil foram efetivamente liberados. No Orçamento de 2019, foram destinados R$ 46 milhões. Entretanto, nada garante que o dinheiro será efetivamente repassado.

“Se, por um lado, temos que combater, coibir a violência, necessitamos trabalhar por uma cultura de paz. E isso, só vamos conseguir se desde cedo, nas escolas, ensinarmos as crianças. Se a gente ouve falar em redução, é muito cedo para cantar vitória. Cidades em crescimento, como Mossoró, Extremoz, São José do Mipibu, Ceará-Mirim, Baraúna, Macaíba e São Gonçalo do Amarante também enfrentam o aumento da criminalidade, de acordo com números do próprio governo estadual”, lembrou Styvenson Valentim.

Prefeito Neto Mafra participa do 17° Fórum Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação

IMG-20190813-WA0067

O prefeito de Barcelona/RN, Neto Mafra, a secretária de educação, Kelly Cristina e a assessora técnica, Janaína Bezerra, participa em Costa do Sauípe, município de Mata de São João/BA, desde a tarde desta terça-feira (13), do 17º Fórum Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação, que tem como tema Qualidade da Educação: financiamento, gestão e aprendizagem.

O evento é Promovido pela União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), e segue até sexta-feira (16), pretendendo mobilizar cerca de 1.500 dirigentes, técnicos de secretarias e educadores para discutir assuntos como o novo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), como mecanismo de financiamento para a garantia da qualidade do ensino.

Blog RN1

SINTE Regional Potengi fará paralisação nesta terça (13) em São Paulo do Potengi

O SINTE Regional do Potengi realizará na manhã desta terça-feira, 13, no município de São Paulo do Potengi mais uma paralisação em defesa da Educação. Nesta terça também será a Paralisação Nacional que tem como pontos de pauta a luta contra desmontes na educação pública e defesa do direito à aposentadoria e dos direitos sociais.

A partir das 08:30h O SINTE Potengi sairá em caminhada até o Banco do Brasil de nossa cidade.

UERN: Além de cortar R$ 3,6 mi, Governo Fátima zerou recursos para investimentos

UERN: Além de cortar R$ 3,6 mi, Governo Fátima zerou recursos para investimentos

O Governo Fátima Bezerra (PT) cortou 100% dos recursos previstos para realização de qualquer tipo de investimento na Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (UERN). A informação é do próprio reitor da instituição, Pedro Fernandes, em entrevista ao Jornal de Fato neste domingo (11).

Ao ser questionado qual o tamanho do contingenciamento promovido pela administração estadual e quais áreas atingiu, o reitor respondeu o seguinte: “Nós temos folha de pagamento, nenhum por cento; custeio, que são essas despesas do dia a dia, 33%; em investimentos, 100%. Investimento é a compra de um carro, é uma nova construção, isso na fonte 100, a fonte do Governo do Estado, mas eu trago só um número aqui: nesses seis anos em que lá estamos, apesar de termos aprovado em torno de R$ 50 milhões de orçamento para o investimento, nós só pagamos R$ 2 milhões. Não é que a gente esteja devendo os R$ 48 milhões; é que a gente não comprometeu, como eu disse. Já do Governo Federal, em busca de emendas, de projetos, de convênios, a gente conseguiu, em assinando o convênio da emenda de R$ 20 milhões, que foi a emenda agora de 2018, a gente vai chegar a R$ 60 milhões de recursos captados, mas eu faço questão de dizer o que é essa universidade neste estado, porque ainda existe aquela celeuma de que Estado não tem que ter ensino superior, esse tipo de coisa.”

Pedro Fernandes também confirmou que a UERN tem recebido cerca de R$ 300 mil a menos do que necessita para quitar seus compromissos mensais, e que a redução tem afetado o pagamento de alguns serviços. A instituição deixará de receber pelo menos R$ 3,6 milhões só de custeio este ano. O reitor também confirmou que a empresa terceirizada que garante a segurança dos prédios da universidade está com seu contrato atrasado, mas mantendo o pagamento dos funcionários em dia.

Grande Ponto

Open chat