Categoria: Educação

IFRN de São Paulo do Potengi sobre nova direção; servidores prestam homenagem a Prof. Ednaldo de Paiva

O Professor Ednaldo de Paiva Pereira, um dos responsáveis pela implantação do Campus São Paulo do Potengi, deixou a Direção-Geral do Campus no último dia 05 de abril, em razão de sua aposentadoria da Instituição. Sua despedida foi marcada por uma cerimônia, realizada no dia 17 de abril, que contou com a participação de servidores e ex-servidores do Campus, do Reitor do IFRN, Prof. Wyllys Abel Farkatt e de familiares.

Durante a cerimônia, Prof. Ednaldo destacou os momentos de dificuldade e de alegria vivenciados na instituição. “Quando nós chegamos aqui, foi muito difícil, mas nós tínhamos o principal, muita vontade de mudar a vida dessa comunidade”, destacou o Professor.

O Reitor do IFRN, Prof. Wyllys Farkatt, reconheceu o trabalho desenvolvido por Prof. Ednaldo ao longo dos seus mais de quarenta anos de atuação profissional. “Ednaldo montou um time neste Campus e deixa um legado muito bonito, de superação, de lutas e de boa convivência com os seus colegas de trabalho”, disse.

Professor Renato Dantas assume a Direção-Geral interinamente

Com a aposentadoria de Prof. Ednaldo, desde o dia oito deste mês, o Professor Renato Dantas responde pela Direção-Geral do Campus. Diretor substituto, ele assumiu a gestão como Diretor-Geral interino e deu início ao processo de consulta pública sobre a Direção-Geral. No próximo dia 29, o Conselho Superior do IFRN, o CONSUP, escolhe os membros da comissão local que conduzirá a consulta com a comunidade acadêmica. A partir disto, o grupo terá 90 dias para realizar o pleito que escolherá o Diretor-Geral Pro tempore, responsável pela finalização do mandato atual que termina em abril do próximo ano.

O processo de consulta pública foi explicado aos alunos e servidores do Campus, pelo Reitor do IFRN, durante reunião realizada, também no dia 17 de abril. “Nossa intenção é pautar nossa gestão na Direção-Geral pela transparência, por isso, assim como era com Prof. Ednaldo, as portas do gabinete continuam abertas para o dialogo”, destacou Prof. Renato durante a reunião.

Entenda como será o processo de sucessão

1. Professor Renato Dantas assume a Direção-Geral Interinamente;

2. Solicita ao CONSUP que institua comissão para o processo de consulta pública;

3. CONSUP determina os membros da comissão local que será responsável pela consulta;

4. Comissão tem 90 dias para realização da consulta;

5. Comunidade acadêmica escolhe, através da consulta, o Diretor Pro Tempore que finalizará o mandato atual.

“Não pretendo entregar o cargo”, diz ministro da Educação

Imagem: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

O ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, disse hoje em Campos do Jordão (SP) que não pretende entregar o cargo, em resposta a uma declaração do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Durante um café da manhã com jornalistas na manhã de hoje, o presidente disse que decidirá sobre o comando do MEC na próxima segunda-feira. “Está bastante claro que não está dando certo. Ele é bacana e honesto, mas está faltando gestão, que é coisa importantíssima”, diz o presidente.

Vélez negou ter sido procurado por Bolsonaro para tratar de sua eventual demissão. Questionado se considerava sua situação no MEC como insustentável, o ministro respondeu que “a única coisa insustentável é a morte.”

Bolsonaro já havia feito críticas públicas à gestão de Vélez, que tem sido marcada por uma série de recuos, polêmicas e demissões. Desde o começo de março, houve cerca de 20 mudanças de cargos no MEC, onde grupos ligados a militares, técnicos e ao escritor Olavo de Carvalho — que indicou Vélez ao cargo — disputam espaço.

Na semana passada, o presidente disse em entrevista à Band que as coisas “não estão dando certo” no MEC, e que conversaria com Vélez após voltar da viagem oficial a Israel — o presidente chegou na quarta ao Brasil.

Além da instabilidade provocada pelas disputas internas, Vélez protagonizou polêmicas junto à opinião pública. Recentemente, defendeu uma revisão dos livros didáticos sobre o golpe militar de 1964 e da ditadura que veio em seguida.

No fim de fevereiro, o MEC enviou a escolas um pedido para que alunos fossem gravados cantando o hino nacional, e que os vídeos fossem enviados ao governo. O pedido também incluía a leitura de uma mensagem com o slogan eleitoral de Bolsonaro, “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”. O ministro depois recuou da medida.

O ministro falou rapidamente à imprensa durante sua participação no 18º Fórum Empresarial Lide (Grupo de Líderes Empresariais) e não quis conceder uma entrevista coletiva.

Uol

MEC desiste de pedir vídeos de alunos alegando ‘razões técnicas’

O ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez: advogado quer que ele dê esclarecimentos Foto: Marcello Casal Jr. / Agência Brasil

O Ministério da Educação (MEC) decidiu enviar mais um comunicado a escolas do país para retirar o pedido de envio de vídeos dos alunos cantando o Hino Nacional perfilados em frente à bandeira do Brasil após leitura de carta oficial do ministro Ricardo Vélez Rodríguez. Será a terceira circular da pasta nesta semana. A primeira incluía no corpo da mensagem de Vélez o slogan de campanha do presidente Jair Bolsonaro: “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos” e solicitava o envio das gravações ao governo. Após repercussão negativa, nova redação foi feita, retirando o lema e incluindo a necessidade de autorização prévia para imagens das crianças e adolescentes.

Agora, segundo os esclarecimentos enviados pelo MEC ao Ministério Público Federal (MPF), que exigiu explicações do ministro em 24 horas, um novo ofício será remetido às escolas, retirando o pedido de envio das imagens por “razões técnicas de dificuldade de guarda desse material (imagens e sons)” e “de segurança”. A medida é descrita pelo consultor jurídico da pasta, Cassio Cavalcante Andrade, no documento, assinado por Vélez. Ele narra que recebeu a informação nesta quarta-feira diretamente do gabinete do ministro.

“Cumpre-me anotar, a propósito, que recebi notícia, há pouco, do Gabinete do Exmo. Sr. Ministro de Estado da Educação, no sentido de que, por razões técnicas de dificuldade de guarda desse material (imagens e sons), bem como de segurança, determinará a expedição de nova comunicação, com a retirada do pedido de produção e envio de vídeos”, afirma a manifestação do MEC enviado ao MPF.

Uso de slogan não foi para ‘promoção pessoal’

No documento, o ministério nega que tenha infringido os diversos dispositivos constitucionais e infralegais apontados pelo procuradores que pediram explicações. Diz que Vélez Rodríguez, ao usar o slogan de campanha eleitoral em carta institucional enviada a escolas, agiu “sem vontade de promoção pessoal”, para sustentar que não houve violação do artigo 37 da Constituição, que fala dos princípios da administração pública.

Diz um dos dispositivos do artigo que “a publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo, informativo ou de orientação social, dela não podendo constar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos”.

No comunicado, ao citar o artigo da Constituição, o MEC justifica o ato de Vélez. “Constata-se que os comunicados eram de natureza educativa, o que atende o dispositivo constitucional. Mas, reconhecido pela autoridade ministerial que, inoportunamente, foi utilizado o slogan de campanha presidencial como saudação final, todavia, sem a vontade de promoção pessoal. Convém assinalar que a expressão já restou retirada das mensagens, por determinação do Ministro de Educação”, aponta a pasta.

A pasta afirmou que houve “boa fé” do ministro ao revisar o conteúdo da carta e reenviá-la às escolas retirando o slogan e colocando a necessidade de autorização de uso das imagens. Argumenta ainda que houve economia de recursos com a medida, uma vez que Vélez Rodriguez não fez “mensagem institucional, a ser veiculada pela grande mídia, para transmitir essa mesma mensagem à comunidade escolar. Preferiu, no entanto, a forma menos custosa aos cofres públicos, e, a seu ver, a mais efetiva”.

Hino não pode ser censurado, diz MEC

O MEC defendeu a execução do Hino Nacional em frente à bandeira, alegando que incentivar o ato não infringe direitos, e protestou contra as críticas falando em censura. “A sugestão de leitura diante do Pavilhão e no momento reservado ao Hino Nacional não pode, também, ser objeto de censura. Não é crível que qualquer autoridade possa ser censurada por sugerir que o canto do Hino seja praticado, ainda mais num ambiente público ou particular publicizado, como são as escolas”, destacou, dizendo que o símbolo vem da própria Constituição.

E continua: “Se, nos estádios e arenas esportivas, quando as seleções nacionais atuam — e mesmo quando se trata de certames nacionais —, os torcedores se submetem à execução do Hino Nacional, pergunta-se: que mal há em cantar o Hino nas escolas? A prática, aliás, já é comum em muitos estabelecimentos de ensino. Num passado não muito distante, era ainda mais comum. Reiteramos: não foi uma determinação, mas uma sugestão. Homenagear os símbolos nacionais é algo que sobreleva e transcende qualquer opção política, ideológica ou filosófica”.

O Globo

Semana Pedagógica marcou início do ano letivo no Campus São Paulo do Potengi

Semana Pedagógica marcou início do ano letivo no Campus São Paulo do Potengi

Nos dias 04, 05 e 06 de fevereiro, o Campus São Paulo do Potengi do IFRN reuniu professores, técnicos administrativos, estagiários e profissionais terceirizados para capacitação e planejamento do novo período que se inicia. A semana pedagógica, realizada pela Diretoria Acadêmica (DIAC), contou com minicurso, palestra, reuniões e apresentação cultural, visando a integração da comunidade acadêmica.

O setor de Psicologia proporcionou um momento teórico-vivencial intitulado “Percebendo a adolescência”, no qual os psicólogos escolares Cássio Martins (IFRN Currais Novos), Emanuelle Cortez (IFRN Natal Central) e Rafael Chaves (IFRN Ipanguaçu) buscaram sensibilizar os servidores acerca do universo dos nossos estudantes. Ocorreu também a palestra “O IFRN e a Reforma do Ensino Médio: resistência e defesa do Ensino Médio”, com o professor Dante Henrique Moura, o qual ressaltou a importância de considerar que a educação pública deve contemplar as diversidades da população brasileira, garantindo que se efetive uma educação laica, igualitária, de qualidade socialmente referenciada, para crianças, adolescentes, jovens e adultos. O minicurso “Práticas pedagógicas para inclusão de estudantes com deficiência visual”, promovido pelo Núcleo de Atendimento às Pessoas com Necessidades Educacionais Específicas (NAPNE), foi ministrado pela professora Juliana Magro, visando contribuir para a discussão e planejamento de ações voltadas para educação inclusiva. Além dos momentos de formação e vivência, os núcleos de trabalho do campus falaram sobre as principais atividades desenvolvidas no ano passado e sobre os projetos e expectativas para 2019.

O Campus São Paulo do Potengi do IFRN reafirma seu compromisso em desenvolver atividades de ensino, pesquisa e extensão que contribuam para o desenvolvimento social e econômico da região, integrando as ações do campus a sociedade e a comunidade local.

Bolsonaro escolhe primeiro da lista para reitor da UFRN: José Daniel Diniz Melo

Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro nomeou José Daniel Diniz Melo para reitor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte ( UFRN ), mantendo a tradição de respeitar a escolha da comunidade acadêmica. Diniz era o primeiro da lista tríplice enviada pela instituição.

Embora a regra tenha sido mantida na primeira nomeação do governo Bolsonaro para as universidades, o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, estuda mudança nos critérios de escolha. Ele também assina, junto com Bolsonaro, a nomeação de Diniz Melo, publicada em sessão extra do Diário Oficial da União de 8 de fevereiro.

Hoje, cada universidade federal faz a sua eleição e envia três nomes para o governo. O Ministério da Educação analisa e encaminha ao presidente. Desde a gestão Lula, o primeiro da lista sempre foi o escolhido, embora qualquer um dos três indicados possa ser nomeado.

Vélez já disse que quer mudar as regras, mas não explicou o que fará. A nomeação de Diniz Melo surpreendeu positivamente os dirigentes de instituições federais de ensino por ter respeitado a tradição de escolher o primeiro nome, mas causou surpresa por ocorrer na frente de outras que já enviaram a lista tríplice e têm mais pressa, porque estão com reitores temporários designados pelo governo, como a Federal do Triângulo Mineiro.

Para a Universidade Federal do Triângulo Mineiro, o primeiro nome da lista é Fabio Fonseca, que já foi filiado ao PT e ao PSOL. A nomeação do segundo, Luiz Fernando dos Santos Anjo, chegou a ser encaminhada internamente no governo, mas não foi publicada ainda. O caso é acompanhado pela comunidade acadêmica porque representará uma sinalização de como a atual gestão vai lidar com as universidades, vistas dentro do MEC como um setor dominado pela “esquerda”.

Nomeado para assumir a partir de 28 de maio, Diniz Melo é vice-reitor da UFRN e foi candidato único na eleição da instituição. Mesmo assim, a universidade tem que mandar a lista tríplice. Bacharel em Engenharia Mecânica e em Engenharia Civil, mestre e doutor em Engenharia Mecânica, fez pós-doutorado na Stanford University, onde é Professor Visitante do Department of Aeronautics and Astronautics desde 2008, segundo o currículo publicado pela UFRN.

O Globo

“Nossa perspectiva é formar alunos”, disse Manoel, novo diretor da 4° DIREC de São Paulo do Potengi

Em entrevista ao Programa Sala de Debate da Web Rádio São Paulo desta terça-feira, 05, o Professor e novo Diretor da 4° Diretoria Regional de Educação e Cultura-DIREC, Manoel Amador, falou sobre suas metas para a nova gestão que se inicia sobre seu comando. Na ocasião, Manoel falou sobre o inicio da Jornada Pedagógica que tem como tema “Currículo Escolar, Fiel Saberes, Inovar Experiência e Construir Identidades” e que acontece até esta quarta-feira, 06, em São Paulo do Potengi.

O evento contou com a participação da Chefe de Gabinete da Secretaria de Educação do RN, Socorro Batista, representante do Sindicado dos Professores do RN, Miguel Salustiano, diretores, professores e demais autoridades. Perguntado sobre suas metas a frente da DIREC, Manoel nos relatou que tem 4 objetivos para ser colocado em prática.

“Temos 4 objetivos principais, tudo que nós fizemos, todas as ações, todos os projetos, eles estão voltados para os 4 objetivos. Um dos objetivos é alfabetizar todas as crianças até 8 anos. O segundo objetivo é colaborar com a redução do analfabetismos em nossa região. O terceiro é fazer com que os alunos participem do ENEM e por último é elevar os índices do IDEB”, falou Manoel.

Com visão do coletivo, Manoel mostrasse confiante em sua gestão. “Pretendemos fazer uma gestão primeiramente participativa, nós compreendemos que não é possível fazer uma administração de forma isolada e com pensamento único. Nós precisamos ouvir os diversos segmentos da sociedade, nós precisamos está aberto para diversas visões e dentro da equipe que forma a Educação regional, conclamo a todos para traçamos juntos essas metas”, disse Manoel.

4ª DIREC promove Jornada Pedagógica 2019, em São Paulo do Potengi

A 4ª Diretoria Regional da Educação e Cultura, com sede em São Paulo do Potengi, que tem como atual diretor o professor Manoel Amador, realiza nesta terça e quarta-feira (5 e 6 de fevereiro), sua Jornada Pedagógica tendo como local a Câmara Municipal de nossa cidade.

A Jornada que tem como objetivo preparar o Ano Letivo 2019, contará com a participação de diretores, vice-diretores e coordenadores pedagógicos das 17 Escolas Estaduais localizadas nos 13 municípios pertencentes a jurisdição da DIREC.

Silvério Alves

Candidatos têm até esta terça para participar da lista de espera do Sisu

Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Esta terça-feira (5) é o último dia para participar da lista de espera do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). O prazo vale para os estudantes que não foram aprovados em nenhuma das opções de curso.

A adesão deve ser feita na página do Sisu. Os candidatos podem escolher entrar na lista de espera para a primeira ou para a segunda opção de curso feita na hora da inscrição. Os alunos na lista serão convocados pelas próprias instituições de ensino a partir do dia 7 de fevereiro. Os candidatos deverão acompanhar as convocações.

Para integrar a lista, os candidatos devem acessar o sistema e, em seu boletim, clicar no botão que corresponde à confirmação de interesse em participar da lista de espera do Sisu. Ao finalizar a manifestação o sistema emitirá uma mensagem de confirmação.

A partir desta edição do Sisu, os estudantes selecionados em qualquer uma das duas opções não poderão participar da lista de espera. Até o ano passado, os selecionados na segunda podiam ainda participar da lista e ter a chance de ser escolhido na primeira opção.

Ao todo, o Sisu oferece, nesta edição, 235.461 vagas em 129 instituições públicas de todo o país. Puderam se inscrever no programa os estudantes que fizeram o Enem 2018 e obtiveram nota acima de zero na prova de redação. Segundo o MEC, mais de 1,8 milhão de candidatos se inscreveram.

Agência Brasil

Potengiense é aprovada para cursar Engenharia Civil na UFRN

“Cada professor que eu tive no IFRN e cada contato foi importante para concretizar minha aprovação em Engenharia Civil”

“O que o IF significa para mim eu não consigo expressar em nenhuma palavra. Só sei que desejo voltar como docente, o que será uma honra!”. A frase finaliza o depoimento da estudante Flávia de Souza Rodrigues, que acaba de concluir o curso Técnico Integrado em Edificação no Campus São Paulo do Potengi e ser aprovada para o Curso de Engenharia Civil da UFRN, através do Sistema de Seleção Unificada (SiSU). A verticalização da sua formação, um dos objetivos do IFRN, passa pelas experiências acadêmicas e pessoais vivenciadas na Instituição, o que ela compartilha no texto abaixo:

‘Sou filha de dois agricultores que nem o ensino fundamental completo possuem. Tenho maior honra de ter uma família humilde, de coração muito bom e trabalhadora. Fui ensinada a lutar pelos meus objetivos. Mainha, apesar de sempre intensa, sempre me lembrava: “minha filha, você nem sempre vai ganhar, mas não precisa desistir”. Meus pais sempre se esforçaram para dar a melhor educação possível para mim e para minha irmã. Teve um tempo que as coisas estavam difíceis lá em casa e, naquela época, saiu um edital na Sociedade Educadora São Francisco, aqui em São Paulo do Potengi (SPP). O edital oferecia bolsa integral ou parcial. Estudei para conseguir e, no dia do resultado, quando menos esperava, meus antigos professores do fundamental chegaram com um carro de som anunciando que eu havia conseguido. Acho que ali eu comecei minha batalha.

Como meu pai também era servente, desde pequena eu estava vendo ele atuando, né? Para qual filha o pai não é um herói? Gostava de brincar com argamassa desde cedo, queria rebocar as paredes como ele, passar a régua e tudo mais; até então, sabia que queria engenharia civil, mas naquela época ainda não sabia que existia o IFRN. Dois anos antes do ensino fundamental II acabar, Josa, diretora da Sociedade Educadora São Francisco, chegou no meio da aula e começou a falar que Fátima (acho que deputada naquela época) tinha um projeto de trazer o Instituto para SPP e que a escola poderia ser uma grande oportunidade. Quando ela terminou de apresentar o IF, ingressar nele tinha se tornado um sonho.

Fomos conhecer a estrutura do IFRN e aquilo parecia coisa de outro mundo. Estudei em casa o ano todo e consegui. Ingressei no IFRN! Entrei com a ideia na mente de que o IF seria o abridor de portas. Quando saiu o resultado, já tinha vários sonhos, tinha prometido para mainha que no final do IF, ela iria ter uma filha formada, uma filha que ia se esforçar ao máximo para melhorar as nossas condições de vida.

Enquanto estudava lá, conheci Neuber, professor do curso de Edificações. Eu o chamo de pai, porque a forma que ele acreditou em mim… Nunca vi! Se eu falasse: “quero conquistar o mundo, será que dá certo?” Ele só respondia dizendo que eu era capaz.

Foi sendo orientada por ele, em um projeto de Gerenciamento de Resíduos Sólidos, que viajei por algumas cidades e tive artigos aprovados em eventos, desde os federais como Secitex e Expotec, a importantes eventos externos, na área da construção como Ibracon, Elec’s e outros. E também em revistas como a Editorial Office of International Journal of Architecture, Arts and Applications. O projeto, as vivências que obtive em cada oportunidade dessa me fez desenvolver um amor maior pela área, de me imaginar construindo sem destruir o meio ambiente, além de uma vontade imensa de projetar visando contribuir também socialmente.

Não só Neuber, mas cada professor que eu tive no IF, cada contato, tudo foi importante para concretizar minha aprovação em Engenharia Civil. Os professores do Instituto são figuras com mentes brilhantes. Quando se entra numa escola desse tipo, geralmente, ou você sai com certeza daquele curso que você já havia imaginado ou você descobre sua paixão. Quando penso no IF, só me vem a ideia de que: não é só uma escola, nunca foi só aprendizado acadêmico. O aluno que ingressa flutuando, dentro de uma bolha, no IF se reconstrói totalmente. Nós temos contato com adversidades e é isso que faz o ser humano evoluir, se adaptar. A gente sai preparado não só para uma vida acadêmica ou profissional, saímos com uma visão de vida totalmente diferente, a realidade é sempre o eixo central dos nossos aprendizados. E isso deixa a gente mais humano também, a gente sabe o quanto pode ser difícil a vida de um aluno que sai de casa todos os dias às quatro horas da manhã para chegar lá na escola; o quanto é difícil ser de família humilde e sabemos o quanto os pais se orgulham em ver o filho(a) alçando novos ares.

Por exemplo, lá em casa, nunca passou pela cabeça da minha mãe que viajaria para apresentar um trabalho, que as promessas de ajuda financeira sairiam, que a oportunidade de mudar nossa vida poderia ser concretizada. E foi o IF que me deu essa esperança, que me possibilitou realizá-las.

No meu último ano, já estagiando na Coordenação de Laboratórios do Campus, estava determinada a passar no Enem. Para me ajudar, um amigo meu me deu uma conta do Descomplica, onde comecei a assistir as vídeo-aulas. Carol e Ruthiane, duas ex-alunas do IF, também ajudaram, corrigindo minhas redações. Não foi fácil, teve dia que não aguentava mais tanta aula… Quando ficava difícil assim, eu lembrava porque eu não podia desistir: lembrava da promessa que eu tinha feito para mainha.

Dia 28 foi um dia incrível, liguei para mainha um dia antes chorando, dizendo que não iria conseguir. Ela me pediu para ter calma e acreditar nos planos de Deus. Me consolou com isso. Segunda de manhã, quando abri a página do SiSU, dei um grito tremendo: “consegui!”, depois corri para abraçar minha irmã e comecei a chorar. Essa aprovação significa muito para mim! Mainha ainda não consegue acreditar, pois é um grande sonho se realizando; é a possibilidade de ser a primeira graduada da família, de ter um emprego bom e dar conforto para família e é só o primeiro passo que imagino dar.

Termino dizendo que, dentre as pessoas importantes nessa jornada do IF, destaco Iasmin e Josivânia, mãe dela. Elas já são parte da minha família, delas vieram incentivos acadêmicos importantes para minha persistência nos meus sonhos. Além de ajudarem a realizá-los, sempre apresentaram portas onde eu achava que não possuíam saídas e, o mais importante, sempre me mostraram que – apesar das dificuldades – eu era e sou muito capaz de conseguir realizar meus sonhos.”

IFRN/SPP

Novos diretores regionais de educação e cultura tomam posse

“Este é um momento carregado de simbolismo, pois é a primeira vez que adentro a Secretaria de Educação como governadora do RN”. Com essas palavras, a governadora Fátima Bezerra iniciou seu discurso na cerimônia que marcou a posse dos 16 novos diretores nomeados para as Diretorias Regionais de Educação e Cultura (Direcs), realizada na manhã desta quinta-feira (24), no auditório da Secretaria Estadual de Educação e Cultura (SEEC).

A solenidade – presidida pelo secretário da Educação, Getúlio Marques Ferreira – também oficializou a nomeação da professora Márcia Cristina como nova diretora do IFESP (Instituto de Educação Presidente Kennedy). Professora por formação e líder sindical da categoria antes de ser eleita pela primeira vez deputada estadual e iniciar sua carreira política (1995), Fátima Bezerra sempre pontuou sua atuação pelo viés da Educação e não escondeu a emoção ao encontrar com colegas de todo o RN. “Ao entrar aqui e olhar para cada um de vocês, companheiras e companheiros, confesso que desde então minha cabeça é um álbum de recordação”, revelou.

A governadora demonstrou familiaridade com cada um dos 16 novos diretores, que são professores “da velha guarda”, como ela fez questão de frisar, e também profissionais mais novos, resultando numa mistura intencional de gerações, que favorece a troca de experiências. “Vocês sabem o papel de liderança que vão exercer e por isso foram escolhidos. Todos vão precisar de habilidade, paciência, humildade, capacidade de mediação e muita abertura ao diálogo”, destacou.

Para a chefe do Executivo, o maior desafio dessa gestão é elevar a posição do Rio Grande do Norte nos indicadores da educação, porque o Estado tem ocupado as posições mais baixas há vários anos. “Não podemos ver o RN entre os piores Idebs do Brasil”, refere-se ao Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, criado em 2007 como forma de diagnosticar o ensino em todo o território nacional.

Fátima enfatizou que os novos gestores empossados devem desenvolver ações que correspondam aos anseios da população, principalmente dos jovens, que almejam uma boa educação para serem inseridos mais facilmente no mercado de trabalho. Ela adiantou que o Estado vai estabelecer parcerias com os IFs (institutos federais) e Sistema “S” para reforçar a educação profissionalizante e tornar o Ensino Médio mais atraente para os alunos. “Também temos o compromisso de ampliar o ensino em tempo integral, não só em quantidade, mas sobretudo em qualidade”.

Com relação aos profissionais, a chefe do Executivo estadual evidenciou que o compromisso do estado é valorizar os educadores no que se refere à remuneração e formação continuada. Ela afirmou também que sua gestão vai fortalecer a UERN (Universidade Estadual do RN) e o IFESP pelo relevante papel que essas instituições desempenham em relação à educação superior. E ainda se comprometeu a estabelecer um regime de colaboração com as prefeituras, no sentido de cobrar das gestões municipais a ampliação de acesso às creches e educação básica.

Confira a lista de novos diretores empossados: Joás Ferreira de Andrade (1ª DIREC-Natal); Alcione Flávia F. das Oliveiras (2ª DIREC-Parnamirim), Marcelo Júnior de Assis da Silva (3ª DIREC-Nova Cruz), Manoel Amador Soares Neto (4ª DIREC-São Paulo do Potengi), Débora do Nascimento Felipe (5ª DIREC-Ceará-Mirim), Patrícia Carol Rodrigues de Melo (6ª DIREC-Macau), Meirison Fernandes de Farias (7ª DIREC-Santa Cruz), Francisca das Chagas Marileide Matias da Silva (8ª DIREC-Angicos), Agnaldo Cassiano de Brito (9ª DIREC-Currais Novos), Suenyra Nóbrega Soares (10ª DIREC-Caicó), Maria Aldeíza da Silva (11ª DIREC-Assu), José Jadson Arnaud Amâncio (12ª DIREC-Mossoró), Lusia Gomes Pinto (13ª DIREC-Apodi), Francisco Leopoldo Nunes (14ª DIREC – Umarizal), Maria Aparecida Vieira Diógenes (15ª DIREC- Pau dos Ferros), Romeyka Priscila de Andrade Pereira (16ª DIREC-João Câmara).