Fornecedores de oxigênio já avisaram a mais de 60 cidades do RN que não terão condição de manter estoque

Foto: Shutterstock

A maioria dos municípios do Rio Grande do Norte já sinalizou dificuldades com o estoque de oxigênio para pacientes covid-19. A informação faz parte de um levantamento feito pelo Conselho de Secretarias Municipais de Saúde por meio da plataforma Google Forms, entre 17 e 18 de março.

Ao todo, 117 prefeituras preencheram o questionário.

Apenas 29,05% de municípios disseram não enfrentar problemas até o momento. O Conselho informou ainda que mais de 60 cidades, o equivalente a 59,82% dos municípios entrevistados, já receberam sinal de alerta de fornecedores sobre a possível dificuldade em abastecimento de oxigênio.

Num vídeo que circula desde o início da manhã neste sábado (20) em grupos de whats app uma mulher relata o drama com a falta de oxigênio num hospital em Ceará-mirim, onde, segundo ele, pelo menos 30 pessoas já estariam precisando do insumo.

A agência Saiba Mais contou em 16 de março o relato de uma médica que trabalha na linha de frente do combate a covid-19 em Natal. Segundo ela, em 13 de março, chegou a faltar oxigênio em todas as UPA e até no hospital de Campanha da capital.

A estrutura da rede hospital é outro problema: 84,7% dos municípios não possui sistema de gases canalizados, 97,7% não possuem tanques de oxigênio e 88,5% das prefeituras têm necessidade em aumentar o número de cilindros em suas estruturas.

– O Conselho de Secretarias Municipal de Saúde do Rio Grande do Norte reforça a grande dificuldade em que os municípios potiguares estão passando nesse momento crítico da pandemia, que se agravará, ainda mais, com a concretização do não fornecimento de oxigênio pelos fornecedores”, diz a entidade em nota.

Por volta do meio-dia de hoje, 145 pacientes aguardavam uma vaga em leitos críticos no Estado, sendo 126 somente na região Metropolitana de Natal. De acordo com a plataforma RegulaRN, haviam apenas 13 UTI vagas, na Grande Natal e na região do Seridó.

Dos 24 hospitais da rede estadual no Rio Grande do Norte, 20 estão com 100% dos leitos ocupados.

Leia abaixo a nota pública divulgada neste sábado pelo Conselho de Secretarias Municipal de Saúde do Rio Grande do Norte. O comunicado é assinado pela presidente da entidade Maria Eliza Garcia Soares.

NOTA PÚBLICA

O Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Rio Grande do Norte (Cosems-RN) torna pública, nesta sexta-feira (19), a situação a aquisição de oxigênio nos municípios potiguares. No levantamento, realizado entre os dias 17 e 18 de março, pelo próprio Conselho, através da plataforma Google Forms, participaram 117 municípios, ou seja, 70,05% dos municípios do Estado.

Foi possível observar que 59,82% dos municípios respondentes já receberam sinal de alerta de fornecedores sobre a possível dificuldade em abastecimento de oxigênio. Outros 11,11 % de municípios já sinalizaram que o estoque de oxigênio já é insuficiente para atender a demanda atual. Apenas 29,05% de municípios sinalizaram não haver dificuldades com o estoque de oxigênio.

O monitoramento também apontou que, atualmente, 54,2% dos municípios respondentes já estão com dificuldades em comprar oxigênio, que 84,7% não possui sistema de gases canalizados, que 97,7% não possuem tanques de oxigênio e que 88,5% têm necessidade em aumentar o número de cilindros em suas estruturas.

O Conselho de Secretarias Municipal de Saúde do Rio Grande do Norte reforça a grande dificuldade em que os municípios potiguares estão passando nesse momento crítico da pandemia, que se agravará, ainda mais, com a concretização do não fornecimento de oxigênio pelos fornecedores.

Este Colegiado já encaminhou demanda ao Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems)e à Federação dos Municípios do Rio Grande do Norte (FEMURN) comunicando sobre o possível colapso no abastecimento de oxigênio ao mesmo tempo em que cobrou medidas viáveis para solucionar o problema.

Até o presente momento a vida de 4 mil norte-rio-grandenses foram perdidas em virtude da pandemia de COVID-19 causada pelo novo coronavírus.

Saiba Mais – Agência de Reportagem

Deixe uma resposta

Open chat