Dia: 4 de agosto de 2020

Covid-19 pode levar 25% das escolas à falência no RN

Sem previsão concreta do retorno das aulas presenciais no Rio Grande do Norte, as redes pública e privada de ensino seguem calculando os prejuízos causados por uma paralisação nunca vista. Especialistas apontam que os impactos da pandemia podem ser duradouros e até permanentes, indo desde o ensino – onde há perdas mesmo com aulas remotas – chegando até a parte financeira, com aumento da inadimplência, investimentos em tecnologia para realização das atividades a distância e profissionais afastados ou com salários reduzidos. Diante do cenário crítico, busca-se inspiração nos locais onde já houve retorno das atividades.

O grande período de paralisação ainda está associado a uma crise econômica que amplia os desafios enfrentados pela área da Educação, principalmente nas pequenas instituições privadas. Alexandre Marinho, presidente do Sindicato das Escolas Particulares do Rio Grande do Norte. estimou que até 25% das escolas particulares que se dedicam apenas ao ensino básico poderão fechar as portas em decorrência da crise, afetando toda uma rede de profissionais e serviços. O grande número de famílias afetadas financeiramente pela pandemia também fez subir o índice de inadimplência.

“Aumentou muito. Tem escola trabalhando com 41%, 42% de inadimplência. O aluno está fora, e alguns pais com dificuldade, então o índice está grande…. Se isso demorar mais (retomada das aulas presenciais) então a situação vai ficar mais difícil ainda”, afirmou Alexandre Marinho.

As aulas no ambiente físico das escolas estão paralisadas no Estado há quase cinco meses, desde o dia 18 de março, quando o Governo emitiu o primeiro decreto de suspensão dessas atividades. Mesmo com uma série de adaptações como o ensino remoto, principalmente na rede privada, profissionais e autoridades da Educação afirmam que há perda no aprendizado, e que será necessário um processo de adaptação em diferentes níveis a partir do retorno presencial.

Para continuar lendo é só clicar aqui: http://www.tribunadonorte.com.br/noticia/pandemia-da-covid-19-pode-levar-25-das-escolas-a-fala-ncia-no-rn/486406

TRIBUNA DO NORTE

Ex-ministro da Saúde culpa Edson Fachin pela morte do ex-deputado Nelson Meurer

O deputado Ricardo Barros (PP-PR), que foi relator da Lei de Abuso de Autoridade e foi ministro da saúde no governo Temer, culpa Edson Fachin, ministro do Supremo Tribunal Federal, pela morte do ex-deputado Nelson Meurer na prisão, vítima de Covid-19. Barros criticava a decisão de Fachin que cassou a liminar do presidente do STF, Dias Toffoli, em entrevista ao programa Bastidores do Poder, da Rádio Bandeirantes, e fez o paralelo: “é puro ativismo político dele, como fez quando matou Nelson Meurer na cadeia”. Meurer, 73, foi o primeiro político condenado à prisão na Lava Jato.

Meurer tinha hipertensão, diabetes e havia passado por recente cirurgia cardíaca. Contraiu Covid-19 na prisão, mas Fachin não o liberou.

“Fachin faz parte da Lava Jato”, acusou Barros, “é membro honorário”, ao criticar a decisão “inconstitucional” que “não se sustentará” no STF.

CLÁUDIO HUMBERTO

‘Não vejo nenhum crime do presidente’, diz Rodrigo Maia sobre pedidos de impeachment. O deputado ainda disparou “a Lava Jato é uma operação política”

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, afirmou nesta segunda-feira, 3, que não encontrou embasamento legal nos quase 50 pedidos de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro enviados ao Congresso até agora. “Destes que estão colocados, eu não vejo nenhum tipo de crime atribuído ao presidente, de forma nenhuma”, disse em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura.

Maia afirmou ainda que o impeachment não pode ser instrumento para solução e crises. “Tem que ter um embasamento para essa decisão e não encontro ainda nenhum embasamento legal”, acrescentou.

Questionado sobre o motivo de ainda não ter ‘engavetado’ os processos, Maia justificou que ocuparia tempo na agenda do Congresso, que deve focar em pautas sobre o coronavírus. “Estamos no meio de um processo de pandemia e qualquer decisão agora leva um recurso ao plenário e nós vamos ficar decidindo impeachment sem motivação para isso. É por isso que eu não decido.”

O presidente da Câmara criticou a atuação de Bolsonaro na pandemia, fato que está no centro de alguns dos pedidos de impeachment. “O president errou na questão de minimizar o impacto da pandemia, a questão da perda de vidas. Vamos chegar a 100 mil vidas perdidas. Ele minimizou, criou um falso conflito.”

Lava Jato

Na entrevista, Maia afirmou que a Lava Jato é uma “operação política” e que cabe ao procurador-Geral da República, Augusto Aras, junto à Corregedoria e ao próprio Conselho Nacional do Ministério Público tomar decisões que, segundo ele, não foram tomadas no passado.

“Os fatos mostraram que excessos ocorreram e cabe ao procurador-geral, e aí defendo a posição do procurador-geral, junto com a corregedoria e com o Conselhor Nacional, tomar as decisões. Não cabe a outro poder interferir na procuradoria, no Ministério Público. Mas cabem decisões contundentes por parte da corregedoria e do procurador-geral. Acho que o Aras está indo no caminho correto, organizar o processo para que esses excessos não se repitam mais no nosso País.”

Sobre o projeto de quarentena para juizes, defendido por ele e pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, Maia garantiu que não atingiria o ex-ministro Sérgio Moro. “Seria legítimo (a candidatura de Moro). É um direito que ele tem, como qualquer um.”

O presidente da Câmara negou que o projeto tenha como objetivo impedir eventual candidatura do ex-juiz. “Claro que (o projeto de quarentena para juízes) não é para atingir o Moro. Os deputados, senadores ou o Supremo não encaminhariam uma tese de fazer uma lei para proibir uma pessoa de disputar uma eleição. Ficaria muito ruim para a democracia brasileira.”

PL das fakes news

Maia afirmou que colocará a PL das fake news em votação até o final do ano e que o texto aprovado deve garantir transparência. “Não queremos votar nenhum projeto que fere a liberdade de expressão, mas não podemos continuar aceitando que novas tecnologias continuem sendo instrumento de radicais.”

O presidente da Câmara relatou ter sido atacado nas redes sociais após chamar o youtuber e influenciador digital Felipe Neto para participar de uma reunião que vai discutir o PL 2630/2020. “Como se a Câmara, que é a casa do povo, não pudesse ouvir uma pessoa que é seguida por 40 milhões de pessoas.”

ESTADÃO CONTEÚDO

Open chat