Dia: 10 de julho de 2020

Milton Ribeiro aceita convite de Bolsonaro para ser ministro da Educação

Foto: Reprodução

O pastor presbiteriano Milton Ribeiro aceitou o convite do presidente Jair Bolsonaro para ser ministro da Educação, apurou a CNN nesta sexta-feira (10). A expectativa é de que Bolsonaro anuncie ainda hoje o novo nome para o MEC.

Integrante da Comissão de Ética Pública da Presidência da República desde maio de 2019, Ribeiro é vice-presidente do conselho deliberativo da Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo, onde foi vice-reitor. Segundo a universidade, Ribeiro é doutor em Educação pela USP e mestre em Direito pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Ele também tem graduação em teologia e em direito.

CNN Brasil

Taxa de ocupação de leitos críticos cai para 83% no RN

Fabiano Trindade

O Governo do Rio Grande do Norte realizou nesta sexta-feira, 10, entrevista coletiva virtual para informar o quadro da pandemia da Covid-19. A governadora Fátima Bezerra, ao lado do vice-governador Antenor Roberto e do Secretário de Estado da Saúde Pública (Sesap), Cipriano Maia, disse que o Estado está iniciando um quadro mais favorável.

“Estamos conseguindo manter a redução da taxa transmissibilidade, continuamos abrindo mais leitos e chegando próximo à taxa de ocupação de 80% dos leitos críticos.  Também registramos que 3.258 pessoas venceram a Covid”, informou a governadora.

A chefe do Executivo estadual disse que, a continuar a evolução do quadro favorável, na próxima semana o Governo do RN vai retomar a abertura gradual das atividades econômicas. “Optamos por adiar a fração 2 da fase 1 do Plano de Retomada Gradual e Responsável das Atividades Econômicas no início desta semana por que não havíamos atingido a taxa de ocupação de leitos a 80%. Foi uma forma de permitir assistência digna às pessoas que contraíram Covid e preservar vidas”, justificou.

A governadora lembrou que nas duas maiores cidades do Estado, Natal e Mossoró, a taxa de ocupação de leitos vinha sempre muito próximo de 100%. “Hoje apresenta uma pequena redução, entre 86% e 88% e esperamos que as prefeituras sigam as determinações do decreto estadual e as recomendações do Ministério Público para que possamos retomar na próxima semana o cronograma de abertura gradual das atividades de forma responsável e segura”.

Fátima Bezerra citou Parnamirim, São Gonçalo e Extremoz como cidades que vêm respeitando as normas. “Cabe aos municípios responderem por seus atos e escolhas. Da parte do Governo, continuaremos firmes, tomando decisões com base na ciência, ouvindo o Comitê Científico e dialogando com o Ministério Público. A responsabilidade de assegurar o isolamento e distanciamento social é das prefeituras. Saudamos a maioria dos municípios que estão seguindo as normas dos decretos”, afirmou.

“Estamos próximos a 80% na ocupação de leitos, mas isso não significa abertura total das atividades. O momento exige cautela e se faz necessária a colaboração da sociedade com o distanciamento e isolamento social, e das prefeituras cumprindo as determinações do decreto estadual. A pandemia não acabou. A luta para preservar vidas humanas continua”, ressaltou a governadora.

Os dados epidemiológicos da Sesap nesta sexta-feira, 10, registram o seguinte quadro:

-confirmados 38.261

-suspeitos 51.096

-casos descartados 59.836.

-Óbitos confirmados 1.356 (05 nas últimas 24h)

-óbitos em investigação 188.

OCUPAÇÃO DE LEITOS

A taxa geral de ocupação de leitos críticos é de 83% (a meta é 80%). Dos 255 leitos de UTI e semi-uti 214 estão ocupados. A fila de regulação tem 7 pacientes para leitos críticos e 10 para leitos clínicos. 27 aguardam transporte sanitário.

Na Região Metropolitana de Natal a taxa de ocupação de leitos é de 86,2% – dos 153 leitos, 132 estão ocupados. Na região do Mato Grande (4 leitos) a ocupação é de 100%. Na região Oeste (54 leitos) a ocupação é de 88,8%. Em Pau dos Ferros (10 leitos) a ocupação é de 30%. E no Seridó, a taxa de ocupação é de 76%. A taxa de isolamento social é de 40,5%, sendo que o ideal seria entre 60 e 70%.

Em live, Bolsonaro fala em indicar nome para o MEC nesta sexta (10) e critica Facebook

Em isolamento após o diagnóstico positivo para a Covid-19, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) realizou a sua live semanal das quintas-feiras sozinho, sem a participação habitual de intérprete de Libras (Língua Brasileira de Sinais) e de integrantes do governo.

O presidente disse que espera indicar o novo ministro da Educação nesta sexta-feira (10) e afirmou ter conversado com “cinco ou seis nomes”. Bolsonaro afirmou estar buscando um nome que “promova o diálogo” e que “não pode botar as pessoas por pressão”.

O cargo está vago desde o último dia 30, quando Carlos Alberto Decotelli pediu demissão após serem apontadas inconsistências em seu currículo. A nomeação de Decotelli foi revogada antes de ele tomar posse e, portanto, o último ministro efetivo é Abraham Weintraub, que deixou o governo em 18 de junho.

Desde então, o cargo vem sendo ocupado interinamente pelo secretário-executivo, Antônio Paulo Vogel. O presidente chegou a definir o nome de Renato Feder, secretário da Educação do Paraná, para o posto. No entanto, Feder acabou recusando o convite depois de sofrer pressão de parte dos aliados do governo pela proximidade com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

Facebook

Bolsonaro criticou a decisão do Facebook de derrubar páginas que o apoiavam, e afirmou que a empresa agiu politicamente. Ele disse não considerar que há “conteúdo de ódio” nas páginas derrubadas pela rede social.

“É lamentável o que está acontecendo. Nós não podemos perder a nossa liberdade. Isso me elegeu presidente da República”, afirmou Bolsonaro na live. “Desafio a mostrar uma postagem de ódio”, completou.

As páginas removidas no Brasil pertenciam a assessores de Bolsonaro e de aliados, segundo o Facebook.

De acordo com comunicado divulgado pela rede social, as investigações envolvem “comportamento inautêntico coordenado no Brasil”. Isso, segundo a rede social, quer dizer que “grupos de páginas ou pessoas atuam juntas para enganar os outros sobre quem eles são ou sobre o que estão fazendo”. Segundo a empresa, as postagens não precisam ser necessariamente falsas.

Cloroquina

Bolsonaro também rebateu as críticas que recebeu por divulgar vídeo tomando a hidroxicloroquina. “Não estou ganhando nada com isso. Estão dizendo que eu estou fazendo propaganda da hidroxicloroquina, não tenho nenhum negócio com essa empresa”, disse.

O presidente afirmou que tomou o medicamento mediante receita médica. “Devidamente recomendado pelo médico, recomendo que você faça a mesma coisa [procure um médico], caso sinta sintomas”, disse.

Pela cronologia citada por Bolsonaro, ele começou a tomar o medicamento antes da confirmação da Covid-19. A recomendação do Conselho Federal de Medicina (CFM) é o receituário apenas a casos confirmados.

CNN

Diretor da OMS chora em apelo contra covid-19: ‘Por que é tão difícil para humanos se unirem?

Tedros Adhanom Ghebreyesus durante coletiva da OMS em fevereiro de 2020 — Foto: Denis Balibouse/Reuters

Com 12 milhões de pessoas contaminadas por Covid-19 e 550 mil mortos no planeta até o dia 9 de julho, o diretor da Organização Mundial da Saúde (OMS) fez um apelo emocionado ao mundo.

Tedros Adhanom Ghebreyesus advertiu na quinta-feira (9) que a pandemia do novo coronavírus segue fora de controle e, em prantos, pediu unidade para a humanidade, dias depois de os Estados Unidos entrarem com pedido formal de saída da OMS.

“A grande ameaça que enfrentamos agora não é o vírus em si, mas a ameaça é a falta de liderança e solidariedade em níveis globais e nacionais”, disse o diretor da OMS em Genebra, na Suíça.

Em um discurso emocionado, cheio de pausas, ele disse: “Esta é uma tragédia que… na verdade… está nos fazendo sentir falta de nossos amigos. Perdendo vidas… E não podemos enfrentar essa pandemia com um mundo dividido”.

“Por que é tão difícil para os humanos se unirem, para lutar contra o inimigo?”

Nos últimos dois dias, foram 170 mil casos novos confirmados de Covid-19, o que representa uma queda em relação aos 200 mil do fim de semana anterior. Ainda assim, os números são considerados altos demais.

As Américas são o continente mais afetado, com 6,12 milhões de contágios confirmados e 272 mil mortes oficiais. Isso é metade de tudo que foi registrado no mundo. O Brasil segue sendo o país com o segundo maior número de casos e mortes no mundo, atrás apenas dos EUA.

Diante desse cenário, o direto da OMS disse que a pandemia “é uma prova de solidariedade e liderança global” e voltou a pedir a unidade de todos os países.

“Isso está matando pessoas de forma indiscriminada. Não podemos ser capazes de identificar um inimigo comum? Não podemos entender que as divisões ou separações entre nós são realmente vantajosas para o vírus? A única maneira é estarmos juntos.”

Enquanto isso, os Estados Unidos seguem com seu processo de saída da OMS. O presidente americano, Donald Trump, finalmente pôs em prática o plano depois de passar meses criticando a entidade.

Na visão americana, a OMS administrou mal a crise do coronavírus e se mantém subordinada à China.

A OMS anunciou nesta quinta-feira a formação de um painel para avaliar a sua resposta à crise de saúde, para responder aos questionamentos dos Estados Unidos.

G1, com BBC

Open chat