Em delação, Palocci diz que distribuiu propina para Fátima Bezerra e Gleisi Hoffmann

Foto: Elisa Elise/Assecom

O ex-ministro Antonio Palocci citou a presidente nacional do PT, Gleise Hoffmann e a governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra, na delação premiada quer fechou com a Polícia Federal.

No documento, a que Crusoé teve sucesso, a PF diz que Palocci admite ter sido o responsável pela distribuição de valores ilícitos pagos pela Camargo Corrêa ao PT, por meio de doações oficiais nas eleições de 2010.

Esses recursos, segundo o ex-ministro, teriam sido direcionados a diversos candidatos do partido. Entre eles, Gleise e Fátima, que se elegeram senadora e deputada federal, respectivamente, naquele ano.

Na delação, Palocci afirma que Gleise, atualmente deputada federal, e Fátima, que se elegeu governadora em 2018, “tinham plena ciência da origem ilícita das doações realizadas pela Camargo Corrêa.”

Procuradas pela Crusoé na manhã desta segunda-feira(02), por meio de suas assessorias de imprensa, ambas ainda não responderam.

Na delação, Palocci chegou a informar que Gleise também recebeu doações extraoficiais pagas pela OAS. Segundo ex-ministro, a petista teria recebido R$ 800 mil reais da empreiteira.

Crusoé

Deixe uma resposta

Open chat