Dia: 12 de abril de 2019

Audiência Pública na Câmara Municipal discutiu o fortalecimento da liderança e participação feminina na política

Foi realizada na manhã desta sexta-feira, 12, no Plenário da Câmara Municipal de São Paulo do Potengi, a Audiência Pública sobre a discussão pelo fortalecimento da liderança e participação feminina na política.

O Plenário completamente lotado com estudantes, professores e a sociedade civil participaram das ricas discussões em conhecimento. O professor Jobson Lima (secretário de Educação), a vereadora Telma de Farias, a secretária Dailva Bezerra (de Saúde) e a professora Janaína foram os palestrantes.

O vice-prefeito Erivan Alves representou o prefeito Naldinho no evento. João Cabral, vice-presidente da Câmara, representou o presidente Diogo Alves. O vereador Neilson Azevedo também participou.

A iniciativa da Audiência foi da Prefeitura Municipal, através da Secretaria de Educação e a equipe pró Selo Unicef, em parceria com a Câmara Municipal.

SPP NEWS

22° ExpoPotengi inicia hoje (12) em São Paulo do Potengi

Foto: Silvério Alves

Dá-se início na noite desta sexta-feira, 12, oficialmente, a 22° ExpoPotengi em nosso município. Às 19h a governadora Fátima Bezerra abre faz abertura do evento.

Confira a programação para hoje:

8H – INÍCIO DA ADMISSÃO DOS ANIMAIS DE JULGAMENTO;
8H – INÍCIO DA ENTRADA DOS ANIMAIS DO TORNEIO LEITEIRO;
14H – INÍCIO DO JULGAMENTO DE CAPRINOS E OVINOS;
17H – ENCERRAMENTO DA ENTRADA DOS ANIMAIS DO TORNEIO LEITEIRO;
19H – TORNEIO LEITEIRO (NIVELAMENTO);
20H – ABERTURA OFICIAL DO EVENTO;
22H – ATRAÇÃO MUSICAL E CULTURAL.

O Blog fará a cobertura completa.

Styvenson cobra resultado de investigação sobre voto duplo na eleição do Senado

O senador Styvenson Valentim (PODE-RN) cobrou nesta quinta-feira, 11, em discurso no plenário do Senado, o resultado das investigações sobre a violação da urna usada na eleição para a presidência da Casa. No dia 02 de fevereiro, quando a disputa ocorreu, na primeira apuração foram contabilizadas 82 cédulas e a composição do Senado é de 81 parlamentares.

“Está me causando angústia não saber quem foi que fraudou a urna naquele dia dois, da eleição. O que foi que aconteceu com aquilo? Com tantas câmeras aqui, umas sessenta, será que a gente não vai ter uma explicação para o país? Ou vamos deixar debaixo do tapete azul a sujeira, mais uma vez?”, questionou o senador. Styvenson já havia conversado com o corregedor-geral do Senado, senador Roberto Rocha (PSDB-MA), durante a semana, cobrando resultados. O senador maranhense disse que ainda há detalhes a elucidar antes de divulgar qualquer informação.

No discurso, o parlamentar potiguar também detalhou o Projeto de Lei 2.157, de 2019 que institui a política nacional de prevenção ao uso do álcool, tabaco e outras drogas nas escolas. A proposta foi apresentada por Styvenson no decorrer desta semana. “Eu tenho dito várias vezes que a escola é um lugar de crescimento, de aprendizado e deve ser protegida. Por isso, sempre vou me preocupar com esse tema. Não foi só em campanha. É para a vida toda”, defendeu.

De acordo com pesquisa divulgada pelo IBGE, em 2015, com estudantes entre 13 e 15 anos de idade, de escolas públicas e privadas, registrava-se um aumento no consumo de drogas entre eles. O número dos que usavam drogas ilícitas – crack, cocaína, maconha e outras drogas – havia aumentado de 7,3% para 9% no mesmo período. Já o percentual dos que tinham experimentado bebida alcoólica subira de 50,3% em 2012 para 55% em 2015.

“Tudo aquilo que mostram nas propagandas, de cenas de pessoas lindas e felizes bebendo, é mentira. Presenciei, na prática, que o álcool não causa felicidade. Com 16 anos como policial, atendendo ocorrências, eu vi a quantidade de violência doméstica, de espancamento, morte no trânsito, morte nos bares causados por essa ingestão de bebida alcoólica, que, muitas vezes, é exaltada. Essas propagandas enganosas têm que parar. De uma forma ou de outra, isso tem que parar”, enfatizou.

A senadora Simone Tebet (MDB- MS), presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) solicitou um aparte ao discurso do senador Styvenson para comunicar que a proposta de combate às drogas já estava distribuído e será relatado pela senadora Renilde Bulhões (PROS-AL). “Encaminhei seu projeto para relatoria. O plenário está realmente em harmonia nessa questão. A indústria dos vícios, através de subterfúgios, quer seduzir a mente dos nossos jovens, das nossas crianças. Precisamos proteger a sociedade como um todo”, disse Simone, parabenizando pela iniciativa.

O senador Styvenson reiterou ainda a posição favorável à CPI da Lava Toga e chamou a atenção para a necessidade de o Senado Federal dar exemplo quanto à transparência de suas ações na busca por moralidade e fiscalização. Comentou sobre rumores de que o Executivo teria influenciado no arquivamento do pedido de investigação do Judiciário.

“Assinei duas vezes a CPI da Lava Toga e torno a assinar. Não são só os senadores que têm de saber isso, é o país inteiro. Porque, se a gente busca moralidade, correção, se a gente busca analisar outras instituições querendo essa retidão delas, temos de começar por aqui. Fica totalmente incoerente, se a gente não consegue resolver os nossos problemas, querer resolver os dos outros. Então, vamos começar primeiro pelos nossos”, avaliou.

“Bolsonaro está honrando a confiança que recebeu do povo”, diz deputado Girão

Os primeiros 100 dias da gestão do presidente Jair Bolsonaro (PSL) foram elogiados pelo deputado federal da sigla no Rio Grande do Norte, General Girão. O parlamentar, eleito em 2018 com 81.640 votos, destacou várias ações realizadas pelo Executivo, entre elas a entrega do texto da reforma da Previdência ao Congresso para que seja analisado pelos parlamentares.

“A eficiência do governo é notada na elaboração do projeto da Previdência. Todos os governos anteriores prometeram enviar a reforma ao Congresso e não cumpriram. A Nova Previdência representa a salvação do país. Com ela, quem ganha menos contribuirá menos e quem ganha mais, contribuirá com mais. Ela vai trazer equilíbrio à Previdência Brasileira”, afirmou Girão.

De acordo com o deputado, o pacote anticrime apresentado pelo ministro Sergio Moro ao Congresso também foi uma demonstração da eficiência do governo. “(O projeto) vai sufocar as organizações criminosas que tomaram conta do país. Aprovar esse pacote é prioridade e esse intercâmbio com os parlamentares demonstrando essa necessidade tem ocorrido de forma muito satisfatória”, revelou.

Além disso, Girão citou outras ações de Bolsonaro à frente do Executivo que, na sua opinião, comprovam o acerto do eleitorado na escolha do novo presidente. O não aumento de impostos, bem como a redução da máquina pública e o decreto que facilitou a posse de arma de fogo aos cidadãos comuns são consideradas “vitórias” do novo governo pelo parlamentar potiguar.

“O Brasil não quer mais um governante que tome decisões alheias aos anseios da sociedade, e eu acredito que isso não voltará a acontecer porque, felizmente, a população aprendeu a cobrar as promessas de campanha. Isso é primordial! O eleito precisa fazer valer o voto de confiança que recebeu do povo e o nosso presidente está honrando esse compromisso”, concluiu. Com informações do Agora RN

Governo Federal prevê rombo fiscal em 2020 acima de R$ 110 bilhões

Com a piora do cenário de crescimento econômico e da arrecadação do País, o governo deve rever, para pior, a meta fiscal para o ano que vem. Até agora, a equipe econômica vinha trabalhando com a possibilidade de um déficit de até R$ 110 bilhões em 2020. Estimativas preliminares apontam, porém, para um rombo de R$ 10 bilhões a R$ 15 bilhões maior. Para este ano, a projeção é de um rombo de até R$ 139 bilhões.

Na visão do governo, a mudança na previsão para o ano que vem, que deve ser anunciada na segunda-feira, será um alerta adicional para a necessidade de aprovação da reforma da Previdência. Na área econômica, fontes avaliam que, sem a reforma (cujo impacto nas contas não pode ser contabilizado nas projeções oficiais), o quadro de déficits pode se estender até o último ano de mandato do presidente Jair Bolsonaro, em 2022.

O cenário mostra a dificuldade de cumprir o objetivo do ministro da Economia, Paulo Guedes, anunciado durante a campanha, de zerar o déficit ainda no primeiro ano da gestão. Em entrevista concedida ao Estado em março, Guedes ainda afirmou que iria “fazer o impossível” para atingir essa meta de zerar o déficit.

Por outro lado, as metas que serão divulgadas na próxima segunda-feira devem manter a diretriz de redução do rombo ano a ano. Até então, o indicativo para 2021 era de um déficit de R$ 70 bilhões, segundo a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) deste ano. As projeções para 2022 serão inéditas, mas a avaliação preliminar é de que será possível reduzir o rombo para cerca de metade do valor do ano anterior.

As novas metas estipuladas pelo governo não incluem a previsão de ingresso de bilhões em recursos com o megaleilão de petróleo do pré-sal. O leilão está marcado para 28 de outubro, mas técnicos creem que a melhor estratégia seria deixar esse dinheiro para os próximos anos e não mexer na meta fiscal agora. A previsão do governo é que o dinheiro entre nos cofres da União em dezembro, mas esse cronograma é considerado apertado e não leva em conta riscos associados ao processo de venda de ativos.

Salário mínimo
Para tentar conter o ritmo de crescimento das despesas, o governo deve enviar sua proposta de LDO sem reajuste real do salário mínimo, apenas com a recomposição pela inflação. A decisão marca o fim da política de valorização real do salário mínimo, iniciada no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

No relatório bimestral de março, a equipe econômica previu que o índice que reajusta o piso nacional deve ficar em 4,2% este ano, o que resultaria num valor próximo a R$ 1.040. Pela regra antiga, o valor poderia ficar em R$ 1.051.

Agência Estado

Open chat