Mês: dezembro 2018

Publicidade: Madeireira Morais, Qualidade e o preço é aqui

Ta precisando construir ou reformar sua casa? Quer material de qualidade e sem falar naquele preço que cabe no seu bolso? Procure agora mesmo a Madeireira Morais em São Paulo do Potengi, sabe porque? Qualidade e o preço é aqui.

A Madeireira Morais tem super ofertas pra você. Janelas, Portas, Mármores, Granitos, Tijolos, Telhas e Madeira em Geral. Madeireira Morais fica localizado na Rua Vicente Gomes da Rocha, Nossa Senhora Aparecida, próximo a entrada da cidade.

Ligue e faça já seu orçamento: 9 9615-0675 a entrega é gratuita.

Parlamentares do Ano e da Legislatura serão eleitos nesta quarta

Foto: Eduardo Maia

As eleições para os títulos de Parlamentar do Ano e da 61ª Legislatura da Assembleia Legislativa acontecem no dia 5 de dezembro, das 8h às 11h, na sede do Poder Legislativo. O primeiro deles é concedido anualmente desde 1982, elegendo o deputado com atuação destacada ao longo do ano. O Parlamentar da Legislatura, por sua vez, é concedido de quatro em quatro anos, premiando o parlamentar com atuação reconhecida ao final do período.

A escolha dos parlamentares é feita pelos profissionais da imprensa credenciados junto ao Comitê de Imprensa da Assembleia e os que cobrem regularmente as atividades diárias da Casa Legislativa.

A urna para eleição ficará disponível na sala Jornalista Alexis Gurgel, sede do Comitê. A votação acontece de maneira espontânea, não havendo chapas estimuladas. Cada profissional da imprensa vota de acordo com a avaliação sobre o desempenho parlamentar do deputado escolhido.

O primeiro parlamentar agraciado com a homenagem foi o ex-deputado estadual Roberto Furtado (1982). Na atual Legislatura, foram eleitos como Parlamentar do Ano os deputados Ezequiel Ferreira (2015), Cristiane Dantas (2016) e George Soares (2017). O parlamentar da última Legislatura foi o deputado Ricardo Motta.

ALRN

Ministério do Trabalho será dividido entre Justiça, Economia e Cidadania, diz Onyx

O ministro da transição e futuro ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS) — Foto: Fátima Meira/Futura Press/Estadão Conteúdo

Ministro que coordena a transição e futuro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni afirmou nesta segunda-feira (3) que o Ministério do Trabalho deixará de existir no governo de Jair Bolsonaro. A atual estrutura da pasta, segundo ele, será dividida entre os ministérios da Justiça, da Cidadania e da Economia.

Lorenzoni explicou o destino do Ministério do Trabalho durante entrevista à Rádio Gaúcha. Ele foi indagado se a pasta no formato atual desparecerá e confirmou a informação, mas ressaltou que as “funções” do Trabalho permanecerão em outros ministérios.

“O atual Ministério do Trabalho, como é conhecido, ele ficará uma parte no ministério do doutor Moro, outra parte com Osmar Terra e outra parte com Paulo Guedes”, disse.

Lorenzoni explicou a divisão do Ministério do Trabalho. A pasta da Justiça, comanda por Sérgio Moro, cuidará da concessão de cartas sindicais. É possível que a fiscalização do trabalho escravo também fique com Moro, disse.

De acordo com Lorenzoni, a estrutura que lida com políticas ligadas ao emprego ficará uma parte no Ministério da Economia, cujo titular será Paulo Guedes, e outra parte na pasta da Cidadania, com Osmar Terra de ministro.

Trabalho

O destino do Ministério do Trabalho teve idas e vindas desde a vitória de Bolsonaro na eleição presidencial. O presidente eleito afirmou que a pasta seria incorporada por outro ministério e, depois, voltou atrás ao declarar, no dia 13 de novembro, que a pasta manteria o status de ministério.

“O Trabalho vai continuar com status de ministério. Não vai ser secretaria, não. … Vai ser ministério disso, disso e Trabalho. É igual o Ministério da Indústria e Comércio, é tudo junto, está certo? O que vale é o status”, afirmou naquela data.

Com a posição apresentada por Lorenzoni, prevaleceu a primeira opção. Até o momento, Bolsonaro anunciou 20 ministros e deve definir nos próximos dias os titulares das pastas do Meio-Ambiente e dos Direitos Humanos.

Por Guilherme Mazui, G1 — Brasília

BASTIDORES DA POLÍTICA: A gestão da Câmara Municipal poderá levar a concorrer o Executivo em 2020

Avaliado por parte dos seus companheiros de bancada e correlegionários na Câmara Municipal de São Paulo do Potengi, tendo uma boa administração na casa legislativa e ter sido o mentor das transformações no Legislativo Potengiense, Allyson Lindálrio pode aparecer como um possível nome ao Executivo Municipal em 2020.

Do outro lado, temos o Engenheiro Pacelli nome que hoje é forte para a disputa e a cada dia esta se fortalecendo. Nos bastidores da política Potengiense, os mais antigos dizem que não tem candidato algum que tome a vaga do Engenheiro.

E parece que o prefeito ainda não tem um nome para ser seu sucessor. Mais na política como tudo é dinâmico, tudo pode acontecer.

Vamos aguardar os fatos…

Programação: Confira os noiteiros para o 2° dia da Festa de Nossa Senhora da Conceição

Com o tema: “A exemplo de Maria queremos ser uma Igreja Peregrina e Missionária” hoje teremos o segundo dia de programação religiosa da Festa da Padroeira do Bairro Juremal, Nossa Senhora da Conceição.

Os noiteiros de hoje são: Terço dos Homens, Mãe Rainha e Moradores das ruas Arno Rodrigues, Olímpio Marinho e Bento Teixeira.

Governo do RN não terá dinheiro para pagar 13º de 2018, diz Gabinete Civil

Governo do RN não terá dinheiro para pagar 13º de 2018, diz Gabinete Civil

Do G1RN:

O Governo do Rio Grande do Norte não tem dinheiro para pagar o 13º salário de 2018, segundo informou nesta sexta-feira (30) a secretária do Gabinete Civil do Rio Grande do Norte, Tatiana Mendes Cunha. De acordo com ela, o governo trabalha para depositar a folha de novembro (a partir do dia 7) e deve deixar também para o próximo ano o pagamento dos salários de dezembro. Cada folha custa cerca de R$ 380 milhões.

Até mesmo a conclusão do 13º de 2017, que ainda não foi pago para o servidores que ganham acima de R$ 5 mil – cerca de 15 mil trabalhadores – não está garantida ainda. São cerca de R$ 141 milhões. O governo depende de uma decisão favorável do Tribunal de Justiça a um empréstimo envolvendo a antecipação dos royalties de petróleo e gás que o estado deve receber no próximo ano.

“Nós concluímos hoje (esta sexta, 30) a folha de outubro. Então, agora nós temos que cuidar da folha de novembro e tentar, com os recursos extraordinários, pagar o décimo terceiro de 2017, que ainda aguarda o pagamento”, afirmou Tatiana Mendes Cunha. “Esse recurso, nós estamos aguardando o agravo de instrumento que está para ser julgado no Tribunal de Justiça. E se nós obtivermos êxito, teremos R$ 180 milhões, mais que suficiente”, acrescentou.

Quando questionada sobre o décimo terceiro de 2018, a Tatiana declarou que não há recursos:”vamos ter que aguardar”.