Dia: 1 de outubro de 2018

São Paulo do Potengi: Sistema São Paulo de comunicação fará cobertura das eleições

O Sistema São Paulo de Comunicação, a Web Rádio São Paulo, fará cobertura completa das eleições 2018 em São Paulo do Potengi. Com mais de 3 anos de existência em nossa cidade, a Web Rádio São Paulo desenvolve um belíssimo trabalho na área da comunicação. Credibilidade e responsabilidade são os fatores essenciais da emissora.

O time de repórteres da emissora estarão nas ruas fazendo a cobertura a partir das 09h da manhã. Diretamente de Brasilia e Natal teremos reportagens exclusivas.

Fátima afirma que finalizará campanha “sem ataques e provocações”

José Aldenir / Agora RN

A candidata ao Governo do RN, Fátima Bezerra (PT) afirmou que irá terminar sua campanha eleitoral sem atacar seus adversários no pleito, ou mesmo reagir a “provocações”.

“Vamos seguir a reta final desta campanha do mesmo jeito, sem ataques, sem reagir a provocações de adversários. Vamos fazer uma campanha limpa e de muita alegria”, disse a petista nas redes sociais.

Na tarde deste domingo, 30, Fátima realizou mais uma caminhada de sua campanha em Natal, desta vez partindo do Ponto 7, na Avenida Engenheiro Roberto Freire, em Capim Macio.

Agora RN

Dez capitais e 16 cidades registram atos pró-Bolsonaro. Em Natal organização estimou em 20 mil pessoas presentes

Partidários do candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, se reuniram neste domingo, 30, na Avenida Paulista em São Paulo e em outras oito capitais, um dia depois de manifestações contra o candidato terem acontecido em todas as capitais do País e do exterior. Pelo menos outras 16 cidades ao redor do Brasil também tiveram atos favoráveis ao candidato. Na capital paulista, militantes e candidatos fizeram um apelo para eleitores de João Amoêdo (Novo) , Alvaro Dias (Podemos), Geraldo Alckmin(PSDB) e Henrique Meirelles (MDB) se unirem em torno do capitão, na esperança de uma vitória no primeiro turno.

Em discurso aos manifestantes, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL), e o candidato ao Senado Major Olímpio (PSL) criticaram o PT. A PM não divulgou estimativa de público na manifestação, que ocupou três quarteirões da Avenida Paulista. Olímpio disse que se a candidatura de Bolsonaro crescer “mais um Alckminzinho” – cinco ou seis pontos porcentuais nas pesquisas – seria possível vencer a eleição ainda no primeiro turno.

Em áudio, gravado no Rio de Janeiro, e divulgado durante a manifestação, Bolsonaro repetiu o mantra. “Vamos ganhar essas eleições no primeiro turno. A diferença será tão grande que será possível qualquer possibilidade de fraude. Chega de PT e de PSDB.” O vice de Bolsonaro, general reformado Hamilton Mourão (PRTB), chegou a ser anunciado, mas não participou do ato.

Atos favoráveis a candidatura de Bolsonaro ocorreram em outras Nove capitais e 16 cidades, em oito Estados e no Distrito Federal.Uma parte das manifestações consistiu em carreatas e buzinaços, como foi o caso de Brasília e Recife. Foram registrados atos também em Natal, Maceió, Manaus, Belo Horizonte, Porto Alegre, Belém, Florianópolis e Cuiabá. Cidades menores, como Niterói (RJ), Foz do Iguaçu (PR), Tubarão e São José (SC) e Uberlândia (MG), além de 11 cidades do interior paulista, também tiveram protestos favoráveis ao candidato do PSL. Na maioria deles, as Pms locais não divulgaram estimativas de público. Em Natal os organizadores estimaram em 20 mil pessoas presentes no ato.

No caminhão de som, militantes ressaltam a participação feminina no evento – dizendo que as mulheres são mães, amigas, que cuidam da casa, dos homens e da família. Eduardo Bolsonaro falou às mulheres que apoiam seu pai. “As mulheres de direita são mais bonitas que as da esquerda. Elas não mostram os peitos nas ruas e nem defecam nas ruas. As mulheres de direita têm mais higiene”, disse o deputado, que ainda criticou o autor do atentado contra Bolsonaro, Adelio Bispo de Oliveira. “Meu pai não tomou uma facada por alguém que queria tomar a carteira dele. Eles estão com medo”, concluiu.

Eduardo Bolsonaro também falou sobre a hipótese de vitória de Fernando Haddad (PT). “Ele dará indulto para o Lula no dia seguinte”. Além disso, afirmou que se o pai for eleito, o ex-presidente Lula não terá privilégios. Ele irá cumprir pena em um presídio comum”. Ainda de acordo com ele, o Brasil não será “governado da cadeia como o PCC”, em uma referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso em Curitiba.

Os discursos mantiveram a narrativa que tem acompanhado a campanha de Bolsonaro desde o primeiro dia. Gritos contra o PT, Lula, Venezuela e artistas que, segundo os partidários de Bolsonaro, vivem do dinheiro da Lei Roaunet.

ESTADÃO CONTEÚDO

Desafio de Bolsonaro e Haddad é sair do gueto

Confirmando-se o cenário esboçado nas pesquisas para o segundo turno da disputa presidencial, Jair Bolsonaro e Fernando Haddad terão um desafio comum. Ambos precisarão retirar suas candidaturas dos respectivos guetos. No tira-teima final, prevalecerá quem for capaz de atrair um pedaço maior do eleitorado que ainda não aderiu à polarização que contrapõe o projeto militar-pentecostal de Bolsonaro ao modelo petista-sindical representado por Haddad.

Bolsonaro e Haddad são os adversários dos sonhos um do outro. Ao incorporar o coro anticorrupção ao repertório de sua banda marcial, o capitão firmou-se como novo polo anti-PT, exonerando o PSDB da função que exercia há seis sucessões. Lula e seu preposto devem tratar a chapa verde-oliva encabeçada por Bolsonaro como uma ameaça à própria democracia. Nessa formulação, o risco da volta dos militares seria mais assustador do que o fantasma do retorno do PT e de suas práticas. Como se o roubo e a compra de apoio legislativo também não ameaçassem o regime.

Surgem sinais de divergência nos dois guetos. Parte do comitê de Bolsonaro acha que seria útil formalizar alianças nos Estados com candidatos a governador identificados com o antipetismo. Menciona-se o caso do tucano João Doria, em São Paulo. Outro grupo avalia que o gesto interessa mais aos potenciais aliados do que a Bolsonaro, que faz da crítica aos conchavos políticos e ao toma-lá-dá-cá uma marca de sua retórica.

No extremo oposto, o pedaço do PT que não morre de amores por Haddad gostaria de impor limites para os entendimentos de segundo turno. O marco fronteiriço seria um flerte com o PDT de Ciro Gomes. Entretanto, teme-se que o preferido de Lula, a pretexto de se firmar como candidato do “campo democrático”, obtenha na cela de Curitiba autorização para ampliar o horizonte da negocição, achegando-se até ao tucanato. Haddad mantém com Fernando Henrique Cardoso relações cordiais.

Embora seja inevitável, a coreografia da negociação interpartidária de segundo turno tende a surtir efeitos limitados nesta disputa de 2018. Num contexto em que a imagem dos partidos está estilhaçada, o que conta é a capacidade do candidato de atrair novos eleitores mesmo sem a intermediação de partidos ou de presenciáveis derrotados. Se o eleitor está sinalizando alguma coisa nesta eleição é que já não se dispõe a fazer o papel de gado.

JOSIAS DE SOUZA

Rogério Marinho, Gustavo Carvalho, Garibaldi e prefeito Babá arrastam multidão em São Tomé

A cidade de São Tomé recebeu na noite deste domingo (30) uma das maiores mobilizações da história do município. Uma verdadeira multidão saiu às ruas da cidade atendendo a convocação do prefeito Babá Pereira (PSDB) para demonstrar apoio à reeleição do deputado federal Rogério Marinho (PSDB), do deputado estadual Gustavo Carvalho (PSDB) e do senador Garibaldi Alves Filho (MDB).

Em seu discurso, o prefeito Babá agradeceu a parceria firmada por Rogério com a Prefeitura. Apenas por meio do trabalho do parlamentar em Brasília, São Tomé recebeu mais de R$ 6,2 milhões em emendas. Os recursos possibilitaram a pavimentação de ruas, a reforma da praça pública, construção de creche, melhorias na unidade de saúde, além da compra de equipamentos, entre outros.

Babá aproveitou a oportunidade para solicitar publicamente ao deputado Rogério Marinho a inclusão de São Tomé no Pró-Sertão. O programa criado pelo parlamentar tem como objetivo levar emprego e renda para o interior do Estado. Atualmente são 61 oficinas de costura no projeto, gerando 15 mil empregos diretos e indiretos.

Com direito a passeata seguida de comício, o evento contou ainda com a presença de vereadores, ex-prefeitos e lideranças da região. Rogério Marinho agradeceu pelas demonstrações de apoio durante o evento. “Saímos de São Tomé revigorados por cada abraço recebido, cada aceno ou sorriso. É o reconhecimento pelo trabalho”, disse Rogério.

Ainda no domingo, Rogério participou de reuniões com trabalhadores em Ceará-Mirim e no Distrito Industrial de Macaíba. No sábado (28), cumpriu agenda de campanha em Assu, Afonso Bezerra e Carnaubais.